ADSENSE

Inscreva-se no meu canal

Sua Contribuição é muito bem-vinda. Quem semeia colhe.- PIX 997518304

LIÇÃO O1 - O MUNDO DO APÓSTOLO PAULO

1 Lição - 4° Tri. 2021 - O MUNDO DO APÓSTOLO PAULO

Texto Áureo: “Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel.” (At 9.15)  

Leitura Bíblica em Classe: Atos 26.1-7

Introdução: Paulo foi o grande apóstolo dos gentios, onde a fonte primária de informações a seu respeito encontra-se no livro de Atos e a fonte secundária encontra-se nas suas epístolas. Não se tem qualquer precisão quanto a sua idade, mas tem alguma indicação que tenha nascido no 4 ou 5 d.C, pois no apedrejamento de Estevão fala do jovem Saulo. Dentro dessa linha de entendimento entende-se que Paulo foi um contemporâneo mais jovem de Jesus. Não existe qualquer informação que ele tenha visto Jesus, mas certamente ele sabia sobre os passos de Jesus, curando e pregando o evangelho do reino. Paulo pertencia à seita dos fariseus e era certamente muito influenciado por eles. A informações não precisas de que sua mãe era de origem judia e seu pai era de origem grega, fator esse importante para que tivesse a cidadania romana por causa da origem do pai. Sua profissão era de fabricante de tendas e foi instruído no judaísmo conhecedor das leis mosaicas, como também era conhecedor da filosofia grega e romana. Seu mentor foi o mestre Gamaliel. Era extremamente zeloso na fé que professava e quando os apóstolos dão seguimento a obra de Cristo ele certamente instigado pelos sacerdotes do templo e pelos fariseus do sinédrio, impôs uma ferrenha perseguição aos seguidores de Cristo, tendo chegado a assassínio, não poupando nem as mulheres. Mas a sua trajetória de perseguidor da igreja muda de rumo ao ser interpelado por Cristo na estrada de Damasco. A partir daí, assim como era um zeloso defensor do judaísmo, ele passa a ser um zeloso defensor e propagador do Evangelho de Cristo. Cristo encontrou em Paulo o perfil ideal para a propagação do Evangelho, com qualificações para atuar tanto com os judeus, como principalmente com os gentios. Os demais apóstolos se restringiram em relação aos gentios, direcionando a evangelização para os judeus e como os judeus eram na maioria resistentes ao evangelho, a obra de crescimento do reino não avançava. Já com o apóstolo Paulo as coisas mudaram porque ele obedecendo a Cristo levou o evangelho aos gentios onde o campo era mais fértil e assim a obra cresceu por todos os lugares dos povos gentílicos cumprindo assim o ide de Jesus.  

1. O PRISIONEIRO PAULO SE SENTIA FELIZ EM FAZER A SUA DEFESA. 

Atos 26.1  DEPOIS Agripa disse a Paulo: É permitido que te defendas. Então Paulo, estendendo a mão em sua defesa, respondeu: Atos 26.2  Tenho-me por feliz, ó rei Agripa, de que perante ti me haja hoje de defender de todas as coisas de que sou acusado pelos judeus;

O Sumo Sacerdote Ananias foi apresentar acusações às autoridades romanas, mas é preciso voltar um tempo atrás para se entender o porquê de tanta ira dos religiosos de Jerusalém contra Paulo.
Assim como Jesus foi perseguido pelos sacerdotes de conluio com a seita dos fariseus, os quais tentavam pegá-lo em alguma falta, também foi com o apóstolo Paulo. Na ressurreição de Jesus os sacerdotes subornaram os guardas para afirmarem que o corpo tinha sido levado pelos seus discípulos e assim esconder do povo que ele havia ressuscitado. Os sacerdotes com isso mantiveram essa mentira para fazer o povo voltar às práticas cerimoniais da lei e continuarem com o seu comércio no templo. Quando eles sabem que Paulo estava pregando em Jerusalém sobre a doutrina da ressurreição de Cristo, eles reagiram furiosamente contra Paulo tentando matá-lo. Depois de várias investidas dos judeus em acusá-lo, às autoridades romanas não viram qualquer crime nas suas prédicas e não tendo motivos para mantê-lo preso. Porém Paulo tinha discernimento de que os judeus estavam dispostos a qualquer coisa para vê-lo morto, então ele apela para se defender com o Imperador César em Roma. Paulo estava sendo julgado por pregar sobre a esperança na ressurreição dos mortos.  

2. PAULO TINHA ELEVADO NÍVEL CULTURAL E ESPIRITUAL NA SUA FALA

Atos 26.3  Mormente sabendo eu que tens conhecimento de todos os costumes e questões que há entre os judeus; por isso te rogo que me ouças com paciência. Atos 26.4  Quanto à minha vida, desde a mocidade, como decorreu desde o princípio entre os da minha nação, em Jerusalém, todos os judeus a conhecem, Atos 26.5  Sabendo de mim desde o princípio (se o quiserem testificar), que, conforme a mais severa seita da nossa religião, vivi fariseu.

Paulo sabia como interagir com os sábios, com os tolos, com os fracos para entregar a mensagem do evangelho, de uma forma que todos viessem a compreender e assim ganhá-los para Cristo. Nessa passagem Paulo está acorrentado pelos pés e diante do rei Agripa, foi-lhe dada a  oportunidade de falar em sua defesa. Paulo não estava falando com um leigo em relação à lei de Moisés, pois o Rei Agripa conhecia profundamente as questões relacionadas ao judaísmo, e assim o apóstolo tinha que ter conhecimento de causa na sua defesa. Manejar bem a palavra de Deus não é para leigos e sim para aqueles que se preparam com muita dedicação a esse ministério. Quem maneja bem a palavra nunca será envergonhado diante de qualquer situação que esteja envolvido, pois tudo que requer o uso da Palavra se conta com a presença do Espírito Santo. Paulo tinha um testemunho de vida que foi exposto na audiência, onde ele não esconde o seu passado onde pela ignorância ao evangelho, era um perseguidor da igreja da qual agora ele fazia parte. No nosso testemunho de fé, não podemos esconder o que éramos antes, para assim mostrarmos o que somos hoje com Cristo em nossas vidas. 

3. NA FALA DE PAULO ELE MOSTRAVA COM CONVICÇÃO A SUA NOVA FÉ.

Atos 26.6  E agora pela esperança da promessa que por Deus foi feita a nossos pais estou aqui e sou julgado. Atos 26.7  À qual as nossas doze tribos esperam chegar, servindo a Deus continuamente, noite e dia. Por esta esperança, ó rei Agripa, eu sou acusado pelos judeus.

Paulo defendia a ressurreição de Cristo, não como algo que iria acontecer, mas sim como algo que já tinha acontecido, no caso do Senhor Jesus Cristo, para confirmar assim que ele foi o Messias, o qual os seus não o reconheceram como tal. Também fazia com maestria a defesa do seu apostolado, a qual muitos dos judeus não reconheciam e o tinham como um falso apóstolo que pregava contra a lei de Moisés. Paulo falou sobre a promessa de Deus com relação à salvação para todos os povos que crescem nele sem acepção de pessoas. As doze tribos, ou seja Israel compartilhavam da mesma esperança, isto é a vinda do Messias, porém ele veio de uma forma, a qual foi rejeitado pelos seus. O levante deles contra Paulo era contra as atividades propagadoras dessa esperança já alcançadas quando Cristo se identificou como o Messias, cumprindo a sua missão salvífica e consumada na Cruz, sendo autenticado com o túmulo vazio, revelando a sua ressurreição. Israel rejeitando o Messias que veio, ainda continuam com essa esperança acesa, de que ele virá. É certo que Jesus virá e no final da grande tribulação ele se idenficará como o Messias que já veio. E olharão para Ele, e prantearão com grande pranto, aquele o qual eles transpassaram. É nesse momento que Israel se converte totalmente a Cristo, onde estarão sob o seu reino no milênio. 

Este comentário é elaborado exclusivamente pelo texto da leitura bíblica em classe. 

Pastor Adilson Guilhermel


OS LUGARES PONTILHADOS NESTE MAPA MUNDIAL INDICA ONDE O SITE É VISITADO

Translate

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Páginas