sexta-feira, 21 de agosto de 2020

AS CAUSAS DA DESUNIÃO DEVEM SER ELIMINADAS

 Lição 8: AS CAUSAS DA DESUNIÃO DEVEM SER ELIMINADAS

Texto Áureo: “Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!” (SI 133.1)
Leitura Bíblica em Classe: Neemias 5.1,6-12 

Introdução: A igreja corpo nos seus primórdios vivia em uma unidade que a fortalecia sobremaneira e isso deveria seguir em sua continuidade a qual não deveria ser interrompida. Mas, com o tempo, essa unidade que teve um início exemplar, acabou por se aprofundar em uma história triste de rivalidade e divisão, e nos dias de hoje, a situação não é muito melhor, pelo contrário, cada vez fica mais dividida e mais triste ainda, a rivalidade é existente. Na história do povo de Israel, aprendemos que eles passaram por períodos de muita união e períodos de desunião e com o tempo prevaleceu a desunião, o que permitiu o seu enfraquecimento como nação, passando a ficar sob jugo de nações dominantes. A igreja em si, por falta do conhecimento verdadeiro da palavra de Deus, parece que ignora que é um único corpo espiritual cujo cabeça é Cristo; lembrando que Deus disse que o Seu povo israel pereceu por falta de conhecimento. Como cristão passamos pelo mesmo nascimento espiritual; adoramos o mesmo Deus; proclamam a mesma mensagem do evangelho e estamos caminhando para a mesma pátria celestial e no entanto existe o absurdo de rivalidades, que provoca desuniões, com demonstração de espírito faccioso.
1. Não é possível haver união quando os pobres são explorado pelos mais ricos.
Neemias 5.1 – Foi, porém, grande o clamor do povo e de suas mulheres contra os judeus, seus irmãos. Neemias 5.6 – Ouvindo eu, pois, o seu clamor e essas palavras, muito me enfadei.
O maior problema que a igreja enfrentou e continua enfrentando em nossos dias, não é as ameaças externas o que não seria surpreendente, mas o que é surpreendente é as ameaças internas, pois isso provoca a desagregação entre os irmãos. Isso aconteceu entre os judeus que retornaram do cativeiro babilônico e nesse retorno vieram tanto os mais abastados, como também os menos abastados. Os que possuíam posses financeiras não eram liberais com as suas posses, muito pelo contrário, eles a usavam para tirar proveito dos que passaram a viver na pobreza. Nesse caso eles emprestavam recursos com juros altos, o que dado as condições financeiras dos endividados era difícil cumprir o pagamento das dívidas. Desse modo esses agiotas acabavam tomando propriedades, como também escravizando os que não conseguiam pagar as suas dívidas.
2. Ninguém pode pensar que fazendo a obra de Deus está acima de repreensão.
Neemias 5.7– E considerei comigo mesmo no meu coração; depois, pelejei com os nobres e com os magistrados e disse-lhes: Usura tomais cada um de seu irmão. E ajuntei contra eles um grande ajuntamento. Neemias 5.8 – E disse-lhes: Nós resgatamos os judeus, nossos irmãos, que foram vendidos às gentes, segundo nossas posses; e vós outra vez venderíeis vossos irmãos ou vender-se-iam a nós? Então, se calaram e não acharam que responder.
A situação que envolvia esses conflitos estava se tornando insustentável e foi necessário a intervenção do Governador Neemias para pacificar os conflitos e colocar ordem para que essa desunião não prosseguisse. Neemias exortou os aproveitadores e os demoveu a devolverem os bens bens adquiridos ilicitamente aos seus respectivos donos. Essa ordem de Neemias foi necessária para o bem da paz em Jerusalém e para que essa desunião fosse revertida, pois não era algo agradável ao Senhor que os irmãos vivessem em desunião. Também um judeu que defrauda o outro, só alcançaria o perdão divino, se ele restituísse tudo que havia subtraído de uma forma ilegal e contrária a lei. Zaqueu, depois do encontro com Jesus reconheceu a sua desonestidade e arrependido se comprometeu a restituir quatro vezes mais o que ilicitamente subtraiu. Foi quando Jesus disse: hoje houve salvação nesta casa. O crente que tem dívida com alguém, ou adquiriu desonestamente algum bem ou dinheiro, se não restituir o que tomou, ele passa a ficar com a sua salvação comprometida. Não adianta pedir perdão a Deus pela sua dívida, pois o perdão só será concedido se pagar o que deve. Na realidade quem estava com dívida, não era quem tomou o dinheiro emprestado e sim os que emprestaram, pois o fizeram com usura, pois a agiotagem é crime.
3. É um pecado grave quando se desonra o nome de Deus através de escândalos.
Neemias 5.9 – Disse mais: Não é bom o que fazeis: Porventura, não devíeis andar no temor do nosso Deus, por causa do opróbrio dos gentios, os nossos inimigos? Neemias 5.10 – Também eu, meus irmãos e meus moços, a juro, lhes temos dado dinheiro e trigo. Deixemos este ganho.
Os implicados aproveitadores diante da repreensão de Neemias, pela sua desumanidade com os seus irmãos judeus, não tiveram o que argumentar no sentido de alcançar alguma justificativa. Nesse caso foram constrangidos a consertarem a situação sem discussões para que tudo fosse resolvido consensualmente e com isso evitar que o caso viesse repercutir junto aos povos vizinhos, o que seria uma vergonha nacional.
4. Quem teme ao Senhor tem o desejo de honrá-lo diante dos que não creem Nele.
Neemias 5.11 – Restituí-lhes hoje, vos peço, as suas terras, as suas vinhas, os seus olivais e as suas casas, como também o centésimo do dinheiro, do trigo, do mosto e do azeite, que vós exigis deles. Neemias 5.12 – Então, disseram: Restituir-lho-emos e nada procuraremos deles; faremos assim como dizes. Então, chamei os sacerdotes e os fiz jurar que fariam conforme esta palavra.
Não existe nada de errado em emprestar dinheiro, o que não é permitido pela palavra é fazer de uma forma que vai contra a Palavra de Deus e que não se explore os necessitados e desamparados, pois isso é um ato de grande maldade. Para garantir que eles cumprissem a devolução do que obtiveram ilicitamente ele tiveram que jurassem e se comprometesse diante dos sacerdotes. Neemias foi prudente em forçar a devolução através do juramento ao sacerdote, pois se alguém mudasse de ideia negando-se a cumprir o prometido, haveria de se entender diretamente com o próprio Deus, evocado ali como o executor da sanção contra aqueles que se revelassem infiéis ao seu juramento. A palavra do crente deve ser sim, sim e não, não, o que passa disso é de procedência maligna.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

terça-feira, 18 de agosto de 2020

O povo de Deus deve separar-se do mal

 Lição 7: O Povo de Deus deve Separar-se do Mal

Texto Áureo: “Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei.” (2 Coríntios 6.17)
Leitura Bíblica em Classe: Esdras 2.59-62; 4.2,3; 6.2-4

Introdução: O cristão tem que vigiar muito para não se associar com o que pode comprometer o seu testemunho ou com quem tenta lhe levar a desobediência a palavra de Deus. Israel é um exemplo que não deve ser imitado, pois por advertência divina, eles não poderiam se misturar com nações pagãs na terra de Canaã; no entanto, eles não deram ouvidos a voz do Senhor, e se inclinaram para a idolatría. Como a desobediência a voz de Deus tem consequências, eles foram disciplinados por causa disso. Isso foi uma constante por toda a Antiga Aliança, mesmo com os profetas que Deus levantou para os advertir, eles constantemente se voltavam para os deuses do paganismo. Assim, a igreja não pode seguir esses maus exemplos, não se deixando enganar por doutrinas não condizentes com a pura palavra de Deus  e rejeitando a doutrina dada por Cristo e os apóstolos. Temos que estar edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas através da sã doutrina.
1. Não se pode ingressar no sacerdócio sem ter qualificação para esse ofício.
Esdras 2.59 – Também estes subiram de Tel-Melá e Tel-Harsa, Querube, Adã e Imer, porém não puderam mostrar a casa de seus pais e sua linhagem, se de Israel eram. 60 – Os filhos de Delaías, os filhos de Tobias, os filhos de Necoda, seiscentos e cinquenta e dois. Esdras 2.61 – E dos filhos dos sacerdotes: os filhos de Habaías, os filhos de Coz, os filhos de Barzilai, que tomou mulher das filhas de Barzilai, o gileadita, e que foi chamado do seu nome. Esdras 2.62 – Estes buscaram o seu registro entre os que estavam registrados nas genealogias, mas não se acharam nelas; pelo que por imundos foram rejeitados do sacerdócio.
Tinha a massa pura dos judeus e tinha a massa misturada, ou seja, os judeus que tinham uma genealogia confirmada e os que se diziam judeus, que tinham uma genealogia duvidosa, principalmente dos que se diziam ser sacerdotes. Desse modo os sacerdotes duvidosos não podiam participar das funções sacerdotais, por receio de contaminarem o culto sagrado ao Senhor. Muitos queriam o sacerdócio para poderem receber os proventos financeiros, e sendo desautorizados não tinham o direito de participar dos sacrifícios dados aos sacerdotes. Nesse caso teriam que trabalhar em algum lugar para sustentar a si e a família. Querer ser um ministro muitos querem, mas para ser separado para tal ofício é necessário ter qualificação e essencialmente ter a aprovação divinaA unção para o ofício sacerdotal só é dada ao que realmente tem o chamado para isso, pois Deus não tem compromisso com quem quer ser o que não pode ser. 
2. Não se pode aceitar o sincretismo religioso que quer associar ao Evangelho.
Esdras 4.2 – Chegaram-se a Zorobabel e aos chefes dos pais e disseram-lhes: Deixai-nos edificar convosco, porque, como vós, buscaremos a vosso Deus; como também já lhe sacrificamos desde os dias de Esar-Hadom, rei da Assíria, que nos mandou vir para aqui.
Houve um apelo dos samaritanos a Zorobabel para participarem da construção do templo, mas apesar de afirmarem estar engajados no culto ao Senhor, isto não tirava deles o elemento pagão, algo totalmente abominável para fazerem parte tanto da obra como também no culto ao Senhor. A adoração sincretista é algo que não poderia ser incorporada nos cultos ao Senhor, a qual revelava que não eram adoradores autênticos, portanto não poderiam também participar no projeto da reconstrução do Templo e nem do serviço sacrificial. Esse sincretismo religioso, disfarçadamente entrou no meio evangélico tradicional, que é identificado pelo modelo da igreja nos seus primórdios contaminando o que é puro. Isso é visto em nossos dias explicitamente sendo praticado, o que tem levado muitos a uma prática de culto que tem similaridade com as práticas do paganismo.
3. Não se pode adequar na edificação da obra homens com segunda intenções.
Esdras 4.3 – Porém Zorobabel, e Jesua, e os outros chefes dos pais de Israel lhes disseram: Não convém que vós e nós edifiquemos casa a nosso Deus; mas nós, sós, a edificaremos ao SENHOR, Deus de Israel, como nos ordenou o rei Ciro, rei da Pérsia.
O líder Zorobabel foi firme em sua decisão de não aceitar esses pagãos em base de igualdade com os verdadeiros judeus na construção do Templo, como também para qualquer ofício sacerdotal. Esses samaritanos com a rejeição dos mesmos em se integrarem na obra e nos cultos no templo foram os mesmos que edificaram seu próprio templo no Monte Gerizim, o que é citado no encontro de Jesus com a mulher samaritana. Israel era uma nação separada das outras, assim como deve ser a Igreja, que tem uma missão a cumprir neste mundo. Se de algum modo a corrupção contaminasse a fé do povo o sucesso da obra estaria em perigo, pois é isso que Satanás quer que aconteça e trabalha sempre nesse sentido. Nós somos o templo de Deus e não podemos ter qualquer união com a idolatria, se quisermos que Ele esteja conosco e sermos reconhecidos como seu povo.
4. Não se pode esquecer que os olhos de Deus estão sobre quem faz Sua obra.
Esdras 6.2 – E em Acmetá, no palácio que está na província de Média, se achou um rolo, e nele estava escrito um memorial, que dizia assim: Esdras 6.3 – No ano primeiro do rei Ciro, o rei Ciro deu esta ordem: Com respeito à Casa de Deus em Jerusalém, essa casa se edificará para lugar em que se ofereçam sacrifícios, e seus fundamentos serão firmes; a sua altura, de sessenta côvados, e a sua largura, de sessenta côvados, Esdras 6.4 – Com três carreiras de grandes pedras, e uma carreira de madeira nova; e a despesa se fará da casa do rei.
Diante de tantos conflitos e oposições a obra mesmo sofrendo paralisações continuou sendo edificada e com ordens do Rei Ciro que havia expedido anteriormente por decreto o qual não podia ser cancelado ou alterado segundo a lei dos Medos e Persas. O templo reconstruído não tinha mais a grande aparência do anterior, mas Deus não estava preocupado com isso, e sim com a espiritualidade do povo que estava em nível baixíssimo. Os olhos de Deus estão atentos a tudo, tanto aos que o servem, como aos que não o servem, mas nós que o servimos devemos fazer com perseverança e não precisamos temer o que os opositores podem nos fazer. 

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel
 

sábado, 8 de agosto de 2020

Neemias Reconstrói os Muros de Jerusalém

 Lição 6: Neemias Reconstrói os Muros de Jerusalém

Texto Áureo: “Nunca mais se ouvirá de violência na tua terra, de desolação ou destruição, nos teus termos; mas aos teus muros chamarás salvação, e às tuas portas, louvor.” (Is 60.18)
Leitura Bíblica em Classe: Neemias 1.1-4; 2.1-9

IntroduçãoPor mais que Deus tenha trabalhado no sentido do povo judeu vindo do cativeiro entrasse para o caminho do avivamento espiritual, não aconteceu como Ele desejava, isto porque, os judeus sempre se comportaram como um povo e dura cerviz. Na restauração do Templo de Jerusalém, como também as suas muralhas, a oposição sempre foi constante no sentido de impedir essas reconstruções. Os judeus conseguiram com muita perseverança concluir as obras, graças à liderança forte de Zorobabel; Esdras e Neemias. Após a conclusão destas obras chegou haver um grande avivamento, com o reinício do cumprimento das leis cerimoniais, mas não por muito tempo. Isto porque os judeus sempre foram um povo de altos e baixos, que se inclinava constantemente a coxear entre dois pensamentos, o que os levava a um fracasso espiritual, e isso refletia no fortalecimento das oposições inimigas que encontravam oportunidades de subjugá-los. A violência contra os judeus era algo quase que rotineiro dentro das suas fronteiras e a sobrevivência dependia muito enfrentarem os seus opressores com violência e principalmente a dependência de Deus. Assim o fracasso dos judeus foi justamente por negligenciar nos seus compromissos de fidelidade e obediência ao Senhor. Obedecer é melhor do que sacrificar.
1- Quando Deus tem uma missão a ser cumprida, Ele tem a pessoa certa para tal.
Neemias 1.1- As palavras de Neemias, filho de Hacalias. E sucedeu no mês de quisleu, no ano vigésimo, estando eu em Susã, a fortaleza, Neemias 1.2 – que veio Hanani, um de meus irmãos, ele e alguns de Judá; e perguntei-lhes pelos judeus que escaparam e que restaram do cativeiro e acerca de Jerusalém. Neemias 1.3 – E disseram-me: Os restantes, que não foram levados para o cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo, e o muro de Jerusalém, fendido, e as suas portas, queimadas a fogo.
Deus tem missões para todos nós, mas em determinadas missões é preciso ter qualificação para tal, para que a missão seja bem sucedida. Neemias que servia como copeiro e mestre de cerimônias do Rei, em certo dia recebe uma comitiva vinda de Jerusalém liderada por Hanani, o qual lhe relatou a situação degradante e de miséria que acontecia na cidade. Com o templo reconstruído e o  sistema sacrificial completado a cidade estava vulnerável a ação dos inimigos, pois os muros estavam derrubados e as portas queimadas. Deus tem as pessoas certas nos lugares certos para realizarem missões das mais variadas como Seus instrumentos. 
2- Quando exercemos a fé confiante em oração, os montes começam a se mover.
Neemias 1.4 – E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus. Neemias 2.1 – Sucedeu, pois, no mês de nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu tomei o vinho e o dei ao rei; porém nunca, antes, estivera triste diante dele. Neemias 2.2 – E o rei me disse: Por que está triste o teu rosto, pois não estás doente? Não é isto senão tristeza de coração. Então, temi muito em grande maneira, Neemias 2.3 – e disse ao rei: Viva o rei para sempre! Como não estaria triste o meu rosto, estando a cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, assolada, e tendo sido consumidas as suas portas a fogo?
Neemias se importou com a situação ao ponto de chorar muito com essa notícia. Ele também se importou o suficiente para entrar em oração durante quatro meses, porque dependia de Deus para poder realizar o trabalho de reconstrução dos muros e das portas. Nessa oração ele pediu perdão pelos seus pecados procurando assim se preparar espiritualmente para se envolver nessa missão difícil e muito trabalhosa. Quando estamos a serviço do Reino de Deus devemos estar sempre em preparação espiritual, pois ela se faz necessária, devido estarmos sempre rodeados pelas oposições malignas. 
3- Quando fazemos orações sejam elas longas e curtas elas fazem a diferença.  Neemias 2.4 – E o rei me disse: Que me pedes agora? Então, orei ao Deus dos céus, Neemias 2.5 – E disse ao rei: Se é do agrado do rei, e se o teu servo é aceito em tua presença, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a edifique. Neemias 2.6 – Então, o rei me disse, estando a rainha assentada junto a ele: Quanto durará a tua viagem, e quando voltarás? E aprouve ao rei enviar-me, apontando-lhe eu um certo tempo. Neemias 2.7 – Disse mais ao rei: Se ao rei parece bem, deem-se-me cartas para os governadores dalém do rio, para que me deem passagem até que chegue a Judá;
Neemias esperou pacientemente a direção do Senhor sem se precipitar agindo por seus próprios ímpetos, pois Deus estava no controle preparando o coração do Rei no sentido de o autorizar a fazer a obra em Jerusalém. Tem o que podemos fazer e tem o que só Deus pode fazer e se tentarmos passar a Sua frente, o fracasso é mais do que certo. Esperar a resposta de Deus em oração é o que todo cristão deve fazer, pois fazendo assim não estamos perdendo tempo e sim ganhando tempo. 
4- Quando Deus nos chama para uma missão, Ele vai na frente resolvendo tudo.
Neemias 2.8 – como também uma carta para Asafe, guarda do jardim do rei, para que me dê madeira para cobrir as portas do paço da casa, e para o muro da cidade, e para a casa em que eu houver de entrar. E o rei, mas deu, segundo a boa mão de Deus sobre mim. Deus sobre mim. Neemias 2.9 – Então vim aos governadores dalém do rio, e dei-lhes as cartas do rei. E o rei tinha enviado comigo chefes do exército e cavaleiros.
O tempo de espera, para sermos autorizados a iniciar o trabalho a qual somos comissionados, é o tempo que Deus está preparando as circunstâncias para que os seus propósitos sejam cumpridos com sucesso. Quando atendemos o chamado do Senhor, Ele nos dá todo o respaldo para o nosso trabalho, e também autoridade, de modo que não precisamos temer as dificuldades que vier pela frente. O mais importante que devemos fazer é procurar realizar com zelo o trabalho a qual fomos chamados a cumprir. Aprendemos nessa missão dada a Neemias, que não há vitórias sem lutas e sem trabalho. Alcançamos nossas vitórias com o exercício da oração, da fé, da coragem, e do trabalho responsável cumprindo com perseverança e fidelidade os nossos compromissos com Deus.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Faça suas compras online aqui no Magazine Luíza - Clique no Banner para acessar o site da loja