sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Os Atributos do Ser Humano

Os Atributos do Ser Humano
Lição 4: 26 de Janeiro de 2020
Texto Áureo: Salmos 32.9 Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio para que não se cheguem a ti.
Leitura Bíblica em Classe: Romanos 12.1-10
Introdução: Os atributos de alguém estão relacionados com coisas positivas, os quais envolvem as suas particularidades, qualidades, conhecimentos, experiências, pontualidade, assiduidade e outros mais. O Cristão deve necessariamente colocar os seus atributos a disposição da vontade divina, porque é assim que ele pode ser identificado como um homem, que verdadeiramente está servindo e agradando ao Senhor.  Servir a Deus não pode ser colocado como uma obrigação, pois Ele em momento algum aceita as coisas desse modo, visto que, o nosso servir a Ele deve ser por devoção e gratidão por tudo que fez, faz e está fazendo em nossas vidas. A nossa obediência a Deus deve ser irrestrita, pois ela envolve uma voluntariedade espontânea da alma em serví-lo de todo coração. Porém nem todos entendem como as coisas devem ser em relação a Deus e, esse contrastam com o que é certo e são como o cavalo, ou a mula, cuja obediência deve ser compelida por meio do cabresto e freio, meios que Deus usou pela Sua misericórdia para conduzir a nação de Israel até Cristo. A dura cerviz de Israel com todos os meios usados por Deus para serem obedientes e fiéis a Ele, não deu os resultados esperados, pois eles em quase todo o tempo foram propensos em coxear entre dois pensamentos colocando os seus atributos também aos deuses pagãos. A partir do momento que alcançamos a salvação passamos a ser cidadãos dos céus e nessa condição temos deveres para com o reino de Deus que não podem ser ignorados. Daí, a necessidade de dispormos os nossos atributos para que Ele nos use conforme a Sua vontade, pois não fomos salvos para sermos passivos e sim plenamente ativos.
1 - É dever do cristão usar seus atributos para servir e obedecer a Deus.
Romanos 12.1  ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
Todos nós somos dotados de atributos e como cristão que somos devemos necessariamente colocá-los a disposição do Senhor. A nossa vocação mais sublime é servir ao Senhor de todo o nosso coração, primeiramente com adoração em espírito e, em verdade. Podemos nos firmar nessa verdade porque a palavra diz que devemos continuamente oferecer sacrifícios de louvor a Deus, que é o fruto dos lábios que confessam o seu nome. Ainda na condição de adorador, com oração e louvor, também se inclui o servir a Deus priorizando a Ele o nosso tempo com o sacrifício que for necessário dentro das nossas limitações. 
2 - O vínculo com o mundo deve ser quebrado para que haja renovação.Romanos 12.2  E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.A chave de tudo para que o cristão tenha uma vida transformada, totalmente diferente quanto aos padrões do mundo é a renovação da mente. Muitos cristãos em geral não estão de acordo com isso e continuam mentalmente pensando da mesma forma que o resto do mundo pensa. Quem não se esforça para que haja essa transformação segundo os padrões divinos, na realidade estão na sua ignorância promovendo uma rebelião contra Deus, se classificando como filhos rebeldes. É essencial que todo cristão tenha uma mente totalmente renovada através das operações do Espírito Santo, o qual é o agente transformador. Quem não passa por esse processo continua sendo ainda dominado pelo velho homem.
3 - A cada um é dada uma responsabilidade em fazer sua parte no reino.
Romanos 12.3  Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um. Romanos 12.4  Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, Romanos 12.5 Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros.
Cristo confiou a sua obra aos seguidores convertidos a Ele e, essa obra está nas mãos daqueles que lhe pertencem. O crescimento do Seu reino nos foi confiado e depende do trabalho de cada um de nós, para serví-lo com fidelidade, obediência e produtividade, pois algum resultado temos que apresentar a Ele, para sermos considerados como servos fiéis. Temos que ser, o que Ele quer que sejamos, fazer o que Ele quer que façamos, sem qualquer tipo de contrariedade. É dessa maneira que Jesus vai aceitar o nosso sacrifício em serví-lo, como também devemos servir a Ele com alegria. Toda nossa devoção ao Senhor deve ser completamente ativa e para isso Ele distribuiu diversidade de dons nos equipando para cumprir com abnegação ao que fomos vocacionados. Ninguém pode dizer que é um sacrifício vivo se é um ser inativo em sua obra, pois quem procede assim, está enganando outros, como também está enganando a sí mesmo. O cristão só será bem sucedido diante do Senhor quando faz tudo com muita dedicação, o qual agindo assim, irá angariar bênçãos pelo seu compromisso sincero com Ele. Todo trabalho não é vão no Senhor. 
4 - Os dons são habilidades a ser usadas para edificar o corpo de Cristo.
Romanos 12.6  De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; Romanos 12.7 Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; Romanos 12.8  Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
Deus concedeu os dons para o crescimento equilibrado da igreja, sendo que cada dom é, e deve ser exercitado pela fé, pois se assim não for é pura imitação. Qualquer que seja o nosso dom, não importa se é mais visível, ou não, já é um grande privilégio, pois usando como deve ser usado o Senhor vê e abençoa. Os dons espirituais são concedidos para o bem de toda a igreja de Cristo, daí a sua importância em usá-los conscientemente, dentro do que é cabível. Todos os dons tem relevada importância e, em vista disso não se pode enfatizar  um dom em detrimento dos outros, porque a manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. O serviço cristão não é um passatempo, como alguns pensam assim. O serviço cristão é um chamado divino e precisa ser feito com energia, cuidado e talento, pois ele é feito para Deus e, em vista disso temos que dar o melhor de nós, para que seja aceitável.
5 - O amor cristão não é apenas emoção, pois deve ter ações recíprocas.
Romanos 12.9  O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Romanos 12.10 Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.Os dons espirituais só serão autênticos com bases constituídas pelo amor, com repulsa do mal, e pelo apego do bem, pela fraternidade, fervor no espírito, esperança, paciência e oração. Isso mostra que não se serve a Deus de qualquer maneira, como se Ele aceitasse tudo o que fazemos. Se não há essas atitudes aceitáveis, não estaremos servindo o corpo místico de Cristo. A origem do amor que devemos praticar, não tem nada a haver com o que o mundo conhece, pois esse amor exigido é sobrenatural, porque ele deve estar presente nas operações do Espírito Santo. Esse amor com origem sobrenatural, se o demonstrarmos com autenticidade é que vai dar comprovação da nossa espiritualidade. Qualquer obra que realizamos no contexto do reino de Deus deve necessariamente impregnada de amor, pois sem ele, tudo que fizermos não tem nenhum valor diante de Deus.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

A NATUREZA DO SER HUMANO

A Natureza do Ser Humano
Lição 3 – 19 de Janeiro de 2020
Texto Áureo: 1 Tessalonicenses 5.23 E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 1.26-28;2.7


Introdução: A natureza do homem envolve assim como a bíblia declara, que se constitui de espírito; alma e corpo, portanto trata-se de um ser tricotômico e não existe outra explicação ou teoria contrária que o homem queira impor ao contrário. Nesse caso, a tricotomia envolve um ser constituído de espírito gerado por Deus, de um corpo material feito por Deus e de uma alma que é o elo de ligação entre o corpo e o espírito. Assim a natureza do homem é celestial, sendo o espírito gerado e o corpo feito por Deus, que é um Ser divino e dotado de uma alma para dar vida ao corpo e ser o elo de ligação. Sendo o homem um espírito, ele foi dotado da capacidade de ter consciência, comunhão e intuição e pode comunicar-se com Deus dentro das Suas condicionais, pois não se chega a Deus de qualquer maneira. Sendo a alma um atributo do homem, ela serve para que ele tenha consciência de si mesmo, sendo que é dotada de intelecto; vontade e emoções. Já o corpo sem o espírito e alma, seria apenas uma matéria morta, mas como ele tem, o ser espírito e o atributo alma, então é uma matéria viva. O meio de comunicação que a alma usa para com o lado exterior é com os cinco sentidos do corpo, ou seja: visão; audição; olfato; tato e paladar, os quais podem ser chamados das cinco janelas da alma.

1 – Deus fez o homem sem ter qualquer semelhança ao reino animal.
Gênesis 1.26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
O homem é um ser distinto, sem similaridade com qualquer animal criado por Deus. Todos eles são tal e qual como Deus os criou, sem qualquer mutação ao longo do tempo o que contraria a teoria da evolução. Portanto o homem descende de Deus sendo colocado como a obra prima de Dele dotado de corpo, alma e espírito. Nesse caso ele é um espírito, coisa que nenhum animal pode ser. Fica bem claro que o animal, quando morre acaba a sua existência, ao contrário do homem que por ser um espírito; ele é imortal. O que é mortal no homem é o seu corpo de carne, o qual após o pecado original se tornou corruptível saindo da imortalidade física para a mortalidade e nesse caso por ter vindo do pó, quando morre volta ao pó. (E o corpo volta ao pó e o espírito volta a Deus que o deu). Assim o espírito que é o ser fica na mãos de Deus, para decidir o seu destino, ou seja, se é salvo vai para as dimensões celestiais e se é pecador vai para as dimensões infernais. Deus deu o livre arbítrio para o homem decidir onde quer passar a eternidade, pois a morte é um novo começo no reino espiritual, ou seja um novo começo de felicidade eterna ou, um novo começo de tormento eterno.
2 – Deus criou o casal com a Sua imagem mental, moral e espiritual.
Gênesis 1.27 E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
Deus um Deus trino, de uma mesma essência constituída por três personagens distintos, o Deus Pai; o Deus Filho e o Deus Espírito Santo, que formam a trindade divina. Como o homem também é um espírito gerado por Deus, no momento da sua concepção fica claro que a sua imagem, não se trata do corpo material e sim do corpo espiritual. Quando falamos a palavra Deus sem identificar um dos três personagens estamos nos referindo a trindade divina. Portanto se quisermos nos dirigir a um dos três é só identificar, se é o Pai, o Filho ou o Espírito. Agora, à imagem de Deus significa, a imagem dos três personagens e nesse caso podemos afirmar que o espírito do homem é triúno pois ele se constitui da personalidade do Deus Pai, do Deus Filho e do Deus Espírito Santo. Assim a natureza espiritual do homem salvo em Cristo deve se aperfeiçoar com os atributos desses três personagens triúnos.
3 – Deus fez o homem e abençoou para que seja ativo e não passivo.
Gênesis 1.28 E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.
O homem recebeu de Deus uma concessão de poder e habilidade para sujeitar e dominar todos os seres criados que compõem o reino animal, tanto da terra, do ar e do mar. Ao homem foi delegada essa autoridade, mas com subordinação total a Deus e com a responsabilidade de prestação de contas a Ele. Ganhou o direito de se usar os frutos da vida vegetal para a sua alimentação, porém deveria cuidar e cultivar tudo que foi posto ao seu dispor, não somente para ele, mas também para que a natureza suprisse todas as necessidades de todas as criaturas vivas. Essa harmonia do homem com a fauna e flora só poderia ser eficaz para ser produtiva se fosse caracterizado como uma pessoa ativa. No contexto de reino de Deus não tem espaço para pessoas passivas que não produzem as coisas como devem ser. A partir da queda do homem a natureza já não era tão generosa com o homem, quando tudo era uma fartura sem despender de muito esforço, a labuta mais pesada veio quando a terra foi amaldiçoada com cardos e espinhos por causa do pecado.
4 – Deus deu forma ao homem e soprou a alma para que tivesse vida.
Gênesis 2.7 E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
É fascinante saber que o corpo do homem formado do pó, se compõe de elementos químicos que estão presentes na argila usada por Deus e são necessários para alimentar o corpo, mantendo-o em vida (fósforo, nitrogênio, potássio, cálcio, oxigênio, ferro, magnésio, boro, carbono e muitos outros. Lembrando que a diminuição desses elementos químicos no corpo podem causar prejuízos a saúde, por isso devem ser recompostos através de complexos vitamínicos de A a Z. Deus usou o pó de barro para moldar uma estátua com a forma que Ele planejou. Isso para mostrar a fragilidade do homem e a dependência que ele tem de Deus, não foi usado rocha, minério de ferro, ou metal, mas sim o pó da superfície da terra, muito leve e sem resistência. Esse corpo frágil já formado precisava ser animado e com um sopro Deus lhe conferiu a vida, tanto física, como espiritual. A vida física para conviver com a terra e a vida espiritual para conviver com o Criador, pois na vida espiritual é que está o princípio inteligente, onde o homem pode compreender a sua identidade pessoal, como também o poder de raciocínio evolutivo. Esse raciocínio evolutivo se voltado para Deus é que vai formando o homem a Sua imagem e semelhança.


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

A Criação de Eva, a Primeira Mulher

A Criação de Eva, a Primeira Mulher
Lição 2 – 12 de Janeiro de 2020
Texto Áureo: Gênesis 2.23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 2.18-25

IntroduçãoFaltava a mulher para Deus concluir a Sua obra da criação e tudo estava dentro dos seus planos. Mas fica uma pergunta acerca disso, a qual seria; por que Deus não fez isso logo que formou o homem? Isso porque, na realidade a mulher seria algo muito especial que estava nos seus planos, mas esse retardamento tinha tudo haver com o homem. Deus deu esse tempo, propositalmente para que Adão sentisse o desejo de ter uma companheira, assim como ele observava em todo reino animal. Diante dessa situação, Adão começou a ser acometido de uma solidão profunda, mesmo tendo tudo a sua mão, ele começou a expressar esse desejo até atingir o ponto que Deus aguardava dele. Deus fez Adão passar por tudo isso, para que desse valor a mulher que receberia para estar ao seu lado e desse o devido valor a ela. Também era para se lembrar da solidão que sentia por falta de uma companheira e nunca pensar em deixar de estar com ela. A criação estava incompleta e se completou com a criação da mulher.
1.  A abundância de deleite do homem não suprem a questão de solidão.
Gênesis 2.18 E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.
Deus demonstra explicitamente que se preocupa com o bem estar do homem, pois Ele conhece o seu interior e sabe qual a sua necessidade, quando está passando por situações conflitivas. Deus não criou o homem para viver em sofrimentos pela ausência de algo que não tem e que deseja ter. O estado de solidão de Adão era algo profundo, pois nada que Deus havia criado para ele, não supria essa solidão, pois só o que poderia lhe espantar esse sentimento, era ter uma companheira para estar ao seu lado. Assim, diante do quadro de solidão em que Adão se encontrava, Deus tomou as providências para dar ao homem o que resolveria o seu problema, que era a falta de uma companheira.
2. Em toda fauna criada não havia um animal combinante com o homem.
Gênesis 2.19 Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. Gênesis 2.20 E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.
Deus deu para Adão o direito de dar nome aos animais, seja os terrestres, alados e anfíbios, como também de exercer domínio sobre todos eles. Desse modo, Adão exerceria um proximidade com os animais, bem como a condição de observar o comportamento de cada um conforme a sua espécie. Com isso ele pode discernir que todos animais eram diferenciados no sentido de macho e fêmea. Pode observar também que o macho andava junto com a fêmea e a fêmea com o macho e nada além disso. Viu também que o macho ao copular com a fêmea, após algum tempo, esta ficava prenha vindo a seguir um filhote. Assim aprendendo com o reino animal a questão de macho e fêmea, Adão sob hipótese alguma iria desejar um macho e sim uma fêmea. Adão pode entender que Deus estabeleceu somente dois gêneros: homem e mulher e que isso não poderia ser mudado, sob pena de entrar em conflito com o Criador. O que passar disso é tentar mudar o curso da natureza, como também é uma afronta ao Senhor Deus.
3. A costela é a parte do corpo mais próximo do coração lugar de afeto.
Gênesis 2.21 Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar; Gênesis 2.22 E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.
Deus ao fazer Adão cair em um sono pesado estava evitando uma dor desnecessária para a extração de uma das suas costelas. Dessa forma Adão em alguma ocasião não poderia dizer que sofreu dor para que a mulher fosse formada de uma parte dele. Assim Deus não formou a mulher a partir da argila, como foi com Adão, mas ela foi formada de uma parte dele. Após a extração da costela de Adão, Deus fechou a carne do local onde a costela foi tirada completando com êxito a Sua obra. A mulher não foi criada e sim formada do homem e para o homem como uma provisão divina para suprir a necessidade dele ter uma companheira para estar ao seu lado. Ela foi formada da costela do homem para ser igual a ele, sob o seu braço para ser protegida e perto do coração para ser amada por ele. 
4. Foi dado o direito para o homem de aprovar e avaliar a sua adjutora.
Gênesis 2.23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
Deus não impôs  a mulher para Adão e sim a trouxe para sua aprovação e, de pronto ele viu nela a solução para resolver os seus problemas de solidão. Também sabia que a mulher era uma parte íntima dele quando disse ser osso dos meus ossos e carne da minha carne e, sendo assim era exatamente o que ele estava desejando. Todo homem e mulher que almejam o matrimônio devem necessariamente buscar em Deus para que essa união não seja contrária ao modelo bíblico. Porque buscando em Deus, Ele vai preparar uma) companhia adequada a personalidade de cada um; mediante esse princípio o casal terá todas as condições de constituir sua família debaixo das bênçãos divinas; também é importante que possa vir pela direção de Deus, para que o casamento não se baseie e paixão sexual, pois paixão não é amor e pode esfriar; o casal também através do seu relacionamento íntimo e amoroso, simboliza Cristo e a Sua igreja, daí importa que o casal seja formado na direção de Deus. Quando a escolha de uma companhia para o casamento for sem a direção de Deus é bem possível que o Diabo se adiante e prepare alguém com a índole que ele gosta e, nesse caso consequências terríveis podem acontecer. 
5. O homem não pode após o casamento ainda viver na tutela paterna.
Gênesis 2.24 Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
O casamento é um novo início e não pode ficar preso aos caminhos antigos, pois para ele dar certo é necessário deixar o antigo e lançar-se em o novo a fim de que a vida conjugal venha a ser bem sucedida. Deixar os pais não significa abandoná-los e sim não permitir que haja intromissão na vida conjugal em qualquer das partes, pois isso faria divisões inconvenientes, as quais prejudicaria a construção de um alicerce forte entre os cônjuges. A intromissão dos pais na vida do casal tem prejudicado muitos lares tirando a paz e a harmonia fazendo com que a união vire um tormento, isso também tem provocado muitas separações, que acabam desconstruindo algo que poderia ser solidamente construído, se não houvesse intromissões de alguém numa vida a dois.
6. Sendo o casal uma só carne, não devem ter vergonha íntima mútua.
Gênesis 2.25 E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam.
O casal não pode ter restrições em tudo que envolve a sua intimidade, pois a nudez entre o casal não é, e nem pode ter esse tipo de restrição. Isso porque,  a partir do momento do casamento, os dois se tornam uma só carne, como se um fizesse parte do outro. Essa impecabilidade na intimidade dos cônjuges foi proporcionada pelo próprio Deus, o qual colocou o desejo sexual primeiramente para a multiplicação da raça humana, mas também permitiu que esse desejo se estendesse para que os dois tivessem uma vida prazerosa sexualmente. Sendo assim o casal se ficarem nus na intimidade, não tem nenhuma razão para se envergonhar, pois se trata de algo que o próprio Deus permitiu que assim fosse.
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Adão, o Primeiro Homem

Adão, o Primeiro HomemLição 1 – 5 de Janeiro de 2020
Texto Áureo: Gênesis 1.26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre toda a terra.
Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 2.1-8
Introdução: Por volta de seis mil anos atrás houve um concílio da trindade onde foi decidido o aspecto de como o homem seria feito. Nessa decisão a trindade divina, a qual é constituída de Deus Pai; Deus Filho e Deus Espírito Santo deliberaram e concordaram que o homem seria feito com a Sua imagem e semelhança. Muitos por entenderem literalmente esse texto imaginam que Deus tem a mesma forma biológica do homem, o que é um puro engano, pois Deus é Espírito e não poderia ter essa forma biológica. Deus como Pai dos espíritos, gera um espírito no momento da concepção do homem, o qual vai habitar no corpo de todo ser gerado biologicamente e, isso não significa que o corpo biológico tem a mesma forma do espírito gerado por Deus. Sendo Deus Espírito, então é o nosso espírito que vai ter que ser como a Sua imagem e semelhança e não o nosso corpo biológico. Adão ao ser formado por Deus, o seu espírito estava sendo transformado à imagem e semelhança divina; quando a cada dia o Senhor o visitava, mas esse processo foi interrompido com a sua queda. Significa que o pecado interrompeu esse processo e a imagem que estava sendo formada foi desfigurada, daí a necessidade desse pecado ser expiado para que houvesse uma continuidade nesse processo. Essa continuidade porém, envolve toda uma condicional ordenada pelos preceitos divinos. Assim entende-se que esse processo depende da disciplina da nossa alma que é o pêndulo entre o espírito e o corpo biológico. A carne luta contra o espírito e o espírito luta contra a carne e quando o espírito está vencendo a carne, então é aí, que o homem está sendo transformado à imagem e semelhança de Deus. Agora é preciso entender, que só quem tem Cristo como o Senhor da sua vida e o obedece sem restrições é que pode alcançar essa imagem. O homem é a obra perfeita de Deus e foi gerado para ser infinito, ao contrário de todos os outros seres que são finito. Infinito porque o homem é um espírito que nunca vai morrer, só que esse espírito tem dois destinos: a vida eterna com Deus, ou a condenação eterna no inferno e isso depende do homem escolher onde quer passar a eternidade.1. Toda obra que Deus começou e concluiu estava relacionada ao homem.
Gênesis 2.1 ASSIM os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados.
O homem não tem o poder de criar a matéria, pois somente Deus tem esse poder. O homem pode manipular a matéria, mas quem cria a matéria é Deus. E foi com a matéria que Ele criou e formou, tanto a inorgânica, como as plantas, os animais e finalmente o homem do pó da terra, o qual é matéria. Tudo que Deus criou com toda perfeição foi no sentido de dar ao homem as melhores condições de habitar nesta terra para ser o louvor da Sua glória. Foi dado ao homem o poder de dominar sobre todas as coisas terrenas, mas pela sua desobediência perdeu esse poder para Satanás, poder esse que perdurou até Cristo retomá-lo com a Sua vitória na Cruz.
2. O descanso de Deus envolve a conclusão da obra, pois Ele jamais se cansa.
Gênesis 2.2 E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. Gênesis 2.3 E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera.
Deus é Espírito e portanto não se cansa e nem se afadiga. A questão que Ele descansou está voltada para o término da Sua obra criadora. Deus não descansou como alguém que estivesse cansado, mas sim como alguém que ficou satisfeito com tudo que começou e concluiu. É preciso entender que os dias da criação não estão no tempo Cronos, que é o tempo do homem e sim no tempo Kairós que é o tempo eterno de Deus. A santificação do sétimo dia foi para o homem se separar um dia da semana para ter uma relação com Ele, isso na dispensação da lei. Foi nesta dispensação da lei que foi instituído o sábado como o dia de descanso, como também de comunhão com Deus e foi instituído como uma prática obrigatória. Na dispensação da graça, não podemos ter essa prática obrigatória de guardar dias, isso porque, Deus passou a habitar em todos que se convertem a Cristo e dessa forma para a igreja, todos os dias são do Senhor. Assim, Jesus é o Senhor não somente dos sábados, mas de todos os dias de nossa vida. Todos os dias o Senhor é digno de receber, adoração, honra, louvor de todos os crentes firmados em Cristo. Nessa nova dispensação, que é da graça, o Espírito Santo nos leva a fazer na semana toda, devocionais com adoração, louvor e serviço para a glória de Deus e não somente em dia determinado.
3. Deus se revela como o generoso provedor da necessidade do homem.
Gênesis 2.4 Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados; no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus, Gênesis 2.5 E toda a planta do campo que ainda não estava na terra, e toda a erva do campo que ainda não brotava; porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra. Gênesis 2.6 Um vapor, porém, subia da terra, e regava toda a face da terra.
Toda essa magnífica provisão estava situada no jardim do Éden e tudo foi preparado para o homem ter as melhores condições de uma vida farta. A fauna, a flora e o melhor sistema de irrigação estava preparado para receber o homem criado por Deus. Deus deu o melhor para o homem ter a sua subsistência alimentícia, mas havia uma condicional, a qual era que deveria cuidar e cultivar tudo que lhe foi dado. No cuidado de lavrar a terra o homem deveria manter-se ocupado e com essa oportunidade usar as suas aptidões sendo um fiel despenseiro de sua criação. Todos nós temos aptidões e devemos colocá-las à disposição do Senhor para o nosso bem e o bem de todos e o nome dele ser glorificado pelas nossas ações. A mente desocupada é um perfeito lugar para o Diabo agir.
4. Deus é o formador do corpo do homem, mas também o que gera o espírito.
Gênesis 2.7 E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
Deus como o supremo oleiro deu início ao processo de formação do Seu vaso usando argila como matéria prima da Sua obra. Deus como oleiro deu o formato que foi planejado e a estátua de barro recebeu o Seu sopro de vida tornando-se um ser vivo, já totalmente equipado e com todas as funções orgânicas e mentais necessárias a sua sobrevivência na terra. O homem é a obra prima de Deus e, é um ser único e, ele é o que é, porque o Senhor soprou em sua narina o fôlego da vida, que é o espírito. Isso significa que Deus nunca fez isso com um animal, pois esses não são dotados de espírito. Quando um animal morre, acaba aí o seu ciclo de vida, ao contrário do homem que não é em si, um corpo biológico, mas um espírito e esse espírito é eterno e portanto nunca morre, porque o que morre no homem é só a sua parte biológica. O corpo volta ao pó e o espírito volta a Deus, que o deu, porém esse espírito que volta a Deus tem dois destinos a seguir; o céu, ou inferno e nisso pensai. Nós como espírito que somos devemos viver para Deus, uma vez que somos dele, pois foi ele que nos gerou para habitar num corpo formado de barro.
5. Deus plantou o homem num paraíso que foi obra perfeita das suas mãos.
Gênesis 2.8 E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, do lado oriental; e pôs ali o homem que tinha formado.
Deus não deu para Adão nenhum título de propriedade desse paraíso, pois a sua permanência infinita nesse lugar era condicional a sua obediência. O Éden se tornou o lugar da residência oficial do homem com todas as benéfices que poderia desfrutar, mas também era o local onde ele seria originalmente testado. Isso porque, Deus fez e sempre fará testes de fidelidade com o homem até que ele alcance o estágio final da salvação. O homem tinha tudo no que concerne às bênçãos divinas, mas com o seu livre arbítrio cedeu ao caminho da tentação, o que o levou a perder a sua residência no paraíso. Temos a promessa de um paraíso nas dimensões celestiais, mas ainda estamos a caminho para chegar a ele, só que Deus impôs condicionais para chegarmos e se cumprirmos todas elas é certo que chegaremos, não para uma residência provisória, mas sim, eterna.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Faça suas compras online aqui no Magazine Luíza - Clique no Banner para acessar o site da loja