quinta-feira, 25 de junho de 2020

A batalha espiritual e as armas do crente

Lição 13 – A Batalha Espiritual e as Armas do Crente
Texto Áureo: Efésios 6.11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 6.10-20
Introdução: Todos os não cristãos, ou seja, todos os pecadores em todo o mundo, não estão em guerra com o Diabo, pelos simples fato, de que estão do lado dele e consequentemente não são inimigos dele. Desse modo não sendo inimigos do Diabo estão em paz com ele, pois são seus aliados, a maioria na ignorância e muitos por vontade própria. Agora para nós cristãos que outrora estivemos do lado dele, ao passarmos para o lado de Cristo tornamo-nos então inimigos do Diabo. Como o Diabo foi vencido por Cristo, o qual nos libertou dele iniciou-se uma batalha espiritual contra nós, pois ele não se conforma de termos sido liberto dele; e não se dando por vencido faz tudo que pode usando de vários meios para tragar-nos de volta para ele. Daí, a necessidade de estarmos revestidos de toda a armadura de Deus, tanto para nos defender, como para atacá-lo.
1. Ninguém vence o Diabo estando desprovido dos recursos divinos nessa luta.
Efésios 6.10 No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
A origem da força para vencer o Diabo não está em nós, pois essa força vem do Senhor e, é só com essa força que se pode vencê-lo. E, para nos fortalecer é condicional mantermos uma comunhão íntima com o Senhor, o que envolve uma ligação direta com Ele, a qual não pode ser interrompida. É dessa ligação que nos é transmitido o poder de Deus diretamente a nós, a qual nos torna fortes, o que é essencial para essa batalha espiritual, onde não há tréguas.
2. Devemos nos vestir de tudo que Deus fornece a essa luta defensiva e ofensiva.
Efésios 6.11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Efésios 6.12 Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Efésios 6.13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.
Não podemos ignorar que estamos em uma batalha espiritual contra o Diabo e os seus anjos caídos e isso é uma realidade e não uma ficção. Vivemos em uma batalha travada no sentido pessoal, mas se não houver esforço da nossa parte, será uma batalha perdida, pois não há vitória sem luta. É preciso entender que o inimigo é nada menos que o Diabo, um ser poderoso, cheio de artimanhas e ardis que não podem ser ignorados e quem ignorar isso na realidade é uma presa fácil para ele. Nossa verdadeira luta não é contra os indivíduos, mas sim, contra seres espirituais demoníacos que operam nesse mundo espiritual usando de vários meios, principalmente pessoas. O Diabo usa o nosso inimigo externo, que é o mundo e o nosso inimigo interno, que é a carne, como meio de nos derrotar, daí, a necessidade de estarmos revestidos de toda a armadura de Deus.
3. Só se vence o Diabo, quem está equipado com a completa armadura de Deus.
Efésios 6.14 Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; Efésios 6.15 E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Efésios 6.16 Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Efésios 6.17 Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;
A armadura de Deus consiste em características morais e espirituais, as quais são as partes que compõem este meio essencial de defesa e ataque contra o Diabo e seus anjos caídos. O cinto representa viver a verdade do evangelho e ele cinge todas as outras partes da nossa armadura, pois sem essa verdade as outras partes não têm qualquer proteção. A verdade é como um cinto que prende tudo no mesmo lugar e na batalha contra o Diabo e seus exércitos, não há lugar para quem não é sincero. A couraça da justiça envolve termos uma vida santa movida pela fé e o amor, que nos ajuda a estar blindado de todas acusações e perseguições. Os pés calçados envolve a nossa longa caminhada levando e evangelho e propagando em total obediência ao Senhor Jesus Cristo, o nosso Comandante. O escudo da fé significa ter uma fé viva para nos defender dos vários dardos inflamados do maligno, que tenta lançar em nossa mente vários pensamentos, no intento de desobedecermos a Deus. O capacete da salvação refere-se uma mente controlado pelo Espírito Santo, que assim sendo, o Diabo não terá controle sobre a nossa mente. A espada do Espírito é a arma ofensiva muito poderosa, pois se trata da palavra de Deus, que bem manejada é uma arma eficaz para derrotar o Diabo. Jesus Cristo em sua missão sacrificial venceu o Diabo, sendo vitorioso em tudo, porque estava equipado com toda armadura de Deus.
4. Não basta só a armadura, pois sem oração, toda ela não tem qualquer utilidade.
Efésios 6.18 Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, Efésios 6.19 E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, Efésios 6.20 Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar.
A oração e súplicas é algo que não pode faltar na vida do cristão e assim ela deve ser constante, pois é o meio de comunicação com o Senhor e não podemos enfrentar batalhas espirituais sem a Sua direção e orientação. Temos que estar atendo a todas as investidas do inimigo e precisamos usar os sentidos dados por Deus, para que possamos ser conduzidos pelo Espírito, o qual nos dá o discernimento para que venhamos perceber quando e como Satanás está operando. Todos nós precisamos das orações dos verdadeiros cristãos, pois elas nos beneficiam nessa grande batalha espiritual.


Pastor Adilson Guilhermel

A conduta do crente em relação a familia

Lição 12 – A Conduta do Crente em Relação à Família
Texto Áureo: Efésios 5.31 Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 5.21-33; 6.1-4
Introdução: A questão da conduta a ser compreendida envolve com lidar com o problema dos papéis de gênero masculino e feminino. E para ficar bem claro, principalmente aos maridos, o ensino envolve e insiste que ele deve tomar com o seu modelo, o próprio Senhor Jesus. O autor bíblico, que é o apóstolo Paulo procura fazer uma analogia entre o marido e a mulher, com Cristo e a Igreja, como uma padrão de relacionamento e dentro dessa similaridade, isso vai proporcionar uma vida conjugal, com muita satisfação e felicidade.

1. O Princípio da Submissão é reconhecer no temor do Senhor o direito conjugal.
Efésios 5.21 Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus.
É no temor do Senhor que o marido e a mulher devem reconhecer o que é o direito de um e o direito do outro. Entre o casal deve haver uma submissão mútua, pois um não pode exercer domínio sobre o outro, para que a união conjugal não venha a se tornar um tormento no lar. O ponto de partida para a cessação de uma vida tormentosa entre marido e mulher é adotar um vínculo santo, como o vínculo que devemos manter com o Senhor Jesus.
2. A submissão da mulher ao marido é voluntária desde que não haja dominação.
Efésios 5.22 Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; Efésios 5.23 Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. Efésios 5.24 De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.
Submissão da mulher em relação ao marido não pode ser entendida como dominação, pois se o marido cristão age dessa maneira está em desobediência a palavra de Deus. É preciso entender que Cristo tem o mesmo poder que o Deus Pai e no entanto é submisso a Ele, como também o Espírito Santo tem o mesmo poder que Cristo e no entanto é submisso a Ele. Assim as mulheres embora sejam iguais aos seus maridos como pessoas; têm papéis diferenciados na relação conjugal e devem revelar uma submissão voluntária para com eles.
3. O amor devido do marido à mulher deve seguir o padrão de Cristo pela igreja.
Efésios 5.25 Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, Efésios 5.26 Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, Efésios 5.27 Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.
O marido deve adotar o amor de Cristo pela igreja como padrão para o relacionamento com a sua mulher, pois é assim que ele a amará de modo sacrificial sendo o seu protetor e sustentador. É com a devoção mesclada com sacrifício e abnegação que se gera um convívio com uma sensação de bem-estar e segurança, que propicia uma submissão amorosa da mulher. No sentido secular em nossos dias, esse padrão de submissão tem sido refutado por muitas mulheres, o que veio influenciar nas mulheres cristãs. Nesse caso, se algumas entram nessa influência mundana rejeitando o padrão de submissão, então ela por conseguinte está em desobediência a palavra de Deus, pois foi o próprio Deus que estabeleceu esse padrão de submissão. O amor de Cristo pela igreja é o exemplo supremo a ser seguido pelo marido em relação a sua mulher. Para que o casal viva num processo de santificação é necessário uma comunhão entre os dois, pois se isso não acontece, também não estão se santificando, pois estão em desobediência a palavra. Assim se essa situação perdurar estará prejudicando a própria união conjugal e a comunhão com o Senhor. É o trabalho do Espírito Santo, que quer nos guiar num processo de aperfeiçoamento espiritual, para que a vida conjugal seja sem mácula, significando sem pecado de impureza; sem ruga, algo que está se deformando; mas santa e irrepreensível, se purificando a cada dia.
4. Tendo o casal se tornado um só corpo o amor deve ser como amar a si próprio.
Efésios 5.28 Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Efésios 5.29 Porque nunca ninguém odiou a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja; Efésios 5.30 Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos.
Entre o casal, nenhum deve carecer de amor, pois ambos devem suprir suas necessidades físicas, emocionais e espirituais e isso é possível quando há uma sujeição a Cristo. Essas carências devem necessariamente serem supridas, para que tanto um como o outro, não venha ser tentado, pois nem todos conseguem resistir às tentações da carne e correm o risco de buscarem suprir isso fora do casamento. É bom lembrar que o inimigo oculto chamado Diabo trabalha no sentido de desunir o que Deus uniu e, isso tem acontecido com muita frequência no meio cristão, não só entre a membresia, mas também com líderes principalmente.
5. Os laços conjugais devem ser tão fortes que suplantam até os de pai e mãe.
Efésios 5.31 Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Efésios 5.32 Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja. Efésios 5.33 Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.
Enquanto solteiros ambos estão sobre a autoridade paterna, mas a partir do momento em que acontece a união conjugal através dos laços do matrimônio, o vínculo paterno deve ser quebrado, pois a autoridade no lar não é mais dos pais, mas sim do marido. Muitos casamentos são prejudicados quando esse vínculo paterno não é quebrado e um dos cônjuges aceita ainda ficar debaixo da autoridade paterna; o que é um tormento no lar do casal. É comum alguns pais, ou mães insistirem em não quebrar o vínculo de autoridade sobre os filhos e isso é algo que o casal não pode aceitar sob hipótese alguma. Deixar os pais não significa abandoná-los, mas sim, não permitir que venham se intrometer na vida do casal.
6. Honrar pai e mãe prolonga os dias e tudo vai bem nesta terra que Deus te dá.
Efésios 6.1 VÓS, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Efésios 6.2 Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Efésios 6.3 Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. Efésios 6.4 E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.
Quando os filhos do novo casal chegam é necessário que sejam ensinados no caminho que devem andar, para que quando crescerem não venham a se desviar dele. Também devem ser ensinados sobre o que diz o quinto mandamento, que ordena honrar os seus pais e mostrando que é um mandamento com promessa de prosperidade e vida saudável nesta terra. É uma obediência condicional, pois traz bênçãos garantidas por uma promessa divina. Os pais cristãos têm o dever de educar os seus filhos dentro dos preceitos bíblicos, não as deixando por conta própria, pois isso pode levá-las a se tornarem rebeldes. A negligência dos pais para com os filhos é repreensível, pois uma criança se tornando rebelde e se revelando assim perante as pessoas, já identifica que os pais não as educam e disciplinam. Os pais devem disciplinar os filhos com amor e nunca com furor que chegue ao ponto de espancamento. Isso seria algo condenável pelo Senhor Deus, pois explosões de raivas não trazem qualquer benefício, muito pelo contrário, pois a criança carregará essas marcas na sua lembrança e será difícil ela nutrir amor pelos seus pais ao longo do tempo.


Pastor Adilson Guilhermel

segunda-feira, 8 de junho de 2020

Os Atributos da Unidade da Fé; Humildade, Mansidão e Longanimidade

Lição 11 – Atributos da Unidade da Fé; Humildade, Mansidão e Longanimidade
Texto Áureo: Efésios 4.1 ROGO-VOS, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 4.1-4; Colossenses 1.9-12

Introdução: Atributos são características exclusivas de alguém e que no caso de um cristão deve envolver particularidades positivas no sentido moral do indivíduo, qualidades que pertencem a Deus. É óbvio que os atributos são diferenciados de pessoa para pessoa, mas quando se referem ao corpo de Cristo, que é a igreja, os atributos têm que ser igualitários e nesse sentido envolve necessariamente o fruto do Espírito. Sendo nós os que alcançamos a salvação em Cristo passando assim a ser a igreja corpo, cujo Ele é o cabeça; temos que desenvolver a unidade da fé, que para ser verdadeira exige que cada crente tenha esses atributos. Esse atributos que consistem na humildade, mansidão e longanimidade são essenciais para um convívio equilibrado e sadio entre os irmãos.
1. Nossa vida deve condizer com a excelência do chamado que recebemos de Cristo. 
Efésios 4.1 ROGO-VOS, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,
Cada um de nós normalmente é dotado de uma vocação e isso é fundamental para o sucesso de um indivíduo desde que ele a desenvolva. Porém, para que ele seja bem sucedido é necessário que esta vocação bem desenvolvida e aprimorada seja colocada a disposição do Senhor. A igreja corpo, de uma forma homogênea é de Cristo e cada um é colocado na composição do Seu corpo, para exercer o seu ofício, de acordo com o seu atributo e para que haja uma unidade da fé.
2. Nossa conduta com, humildade, mansidão e longanimidade são virtudes de Cristo. Efésios 4.2 Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,
Só há unidade da fé entre os irmãos, quando as virtudes de Cristo são agregadas em nossa vida espiritual, para exteriormente serem demonstradas, tanto com palavras, como também por ações individuais e coletivas. Essa unidade deve ser resguardada em todo tempo, pois existem vários tipos de coisas que podem nos atacar no sentido de estragar essa unidade, coisas essas que devem ser combatidas, seja ela quais forem. Infelizmente há várias igrejas locais que se julgam diferentes, ou superiores e outras chegando a não reconhecer membros de outras igrejas locais como irmãos em Cristo. Cristo não habita em templos  construídos por mãos humanas e sim em templo  vivo que somos nó, o qual ele edificou e fez morada.

3. Somos todos um num só Espírito e devemos nos esforçar em manter essa unidade
Efésios 4.3 Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Efésios 4.4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação
Cada parte do corpo é diferente das outras, mas no entanto elas constituem em uma só unidade que trabalham em conjunto de acordo com a vocação de cada um. Como igreja corpo em que cada um deve exercer o seu talento, a humildade deve estar presente. E ser humilde significa colocar Cristo em primeiro lugar lembrando das palavras de João Batista, quando disse: convém que Ele cresça e eu diminua. Assim Cristo deve estar em primeiro lugar, os outros em segundo lugar e a si mesmo em último. Onde há unidade da fé, ninguém se considera superior aos outros. A unidade que não é construída pelo doutrinamento bíblico não tem base sólida e fica alicerçada com instabilidade. Todo cristão no ato da conversão, por obra do Espírito Santo é inserido nesta unidade conjunta que é a igreja corpo de Cristo. Como igreja corpo somos um só espírito ligados ao Espírito Santo e, é nessa condição que somos identificados como tal. A igreja corpo deve manter uma só esperança, a qual é a volta de Cristo para levá-la ao céu, e o Espírito Santo opera em nós nesse sentido, sempre nos preparando para esse glorioso dia. 
4. Devemos buscar a maturidade cristã, só assim agradamos a Deus com boas obras
Colossenses 1.9 Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual; Colossenses 1.10 Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus;
Falsos ensinamentos cerceiam a igreja de Colossos e ameaçavam os irmãos dali, de modo que Paulo além de enviar as cartas doutrinárias, também ele se concentrava nas orações acerca desse problema. Haviam falsos mestres que procuravam impor novas doutrinas, as quais tinham um influência satânica que objetivava contradizer a verdade para tirá-los do alvo. Crente não cresce com inovações doutrinárias que se disseminam por todos os cantos, ele cresce é com os ensinos que têm experimentado com a verdadeira doutrina. É estudando a palavra com doutrinadores qualificados que recebemos as revelações da palavra que nos fazem crescer espiritualmente, para produzirmos os frutos que agradam o Senhor Nosso Deus.
5. Em nossa vida espiritual é necessário ter uma força espiritual contínua do Senhor.
Colossenses 1.11 Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo; Colossenses 1.12 Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz;
O poder que nos libertou do reino das trevas, e nos levou para para o reino de Cristo, também está à nossa disposição para continuar nos levando nesse reino de luz que foi aberto diante de nós. É a energia de Deus que nos dá poder, mas isso acontece quando nos esforçamos para buscar o conhecimento, quando temos uma conduta compatível como cristão, quando nos dispomos a servir ao Senhor com alegria e quando desenvolvemos uma caráter íntegro. Esse atributos são essenciais para o desenvolvimento da nossa maturidade e dessa forma abrimos o nosso coração para que o Senhor opere em nós. Como igreja militante estamos num combate contínuo contra Satanás e nunca podemos baixar a guarda.

Pastor Adilson Guilhermel

sábado, 6 de junho de 2020

A INTERCESSÃO PELOS EFÉSIOS

Lição 10 – A Intercessão pelos Efésios
Texto Áureo: Efésios 3.14 Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, 15 Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 3.14-21
Introdução: Intercessão significa fazer um pedido a Deus em favor de alguém, ou de uma causa. Na intercessão que fazemos, evidentemente que deve ser por algo justo e necessariamente envolve a presença da trindade divina. A intercessão do Espírito Santo por nós é em consonância com a vontade de Deus, com gemidos não expressos pela nossa mente, mas que são compreensíveis para a mente divina. A intercessão de Jesus Cristo envolve a Sua posição como Sumo Sacerdote, o qual está a destra do Deus Pai. Visto que temos um enfrentamento com os poderes malignos, o trabalho intercessório de Cristo nos garante um peregrinação vitoriosa até as dimensões celestiais. Cada alma que se converte, o Espírito Santo encaminha a Cristo que operando o perdão e realizando a expiação dos pecados, o apresenta ao Deus Pai para a reconciliação. No Antigo Testamento, temos vários exemplos de oração intercessória, como a de Abraão por Sodoma onde estava Ló, Moisés intercedendo pelo povo em rebelião, Samuel intercedendo pelo povo e outras mais.
1. Não importa a postura física quando oramos, pois a oração é pelo espírito.
Efésios 3.14 Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Efésios 3.15 Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,
A oração reúne amor e poder, ou seja, quando oramos entramos na presença de um Deus que nos ama muito mais do que nós o amamos e através do Seu amor por nós Ele flui o Seu poder na diversidade do que buscamos. A maioria das orações concentram-se mais nas petições físicas e materiais não que seja errado, mas não se pode esquecer de buscar as necessidades mais profundas do nosso coração. É importante compreendermos que Deus quer operar nos lugares mais profundos do nosso ser, pois é aí, que se encontram as maiores necessidades que envolvem o nosso desenvolvimento espiritual. Quanto a nossa postura, não se exige uma posição especial para orar, pois podemos ver que Abraão permaneceu de pé quando intercedeu por Sodoma, Moisés quando intercedeu de pé no combate de Israel contra os amalequitas, Jesus prostrou-se sobre o seu rosto orando no Getsêmani. Por esses exemplos podemos afirmar que não é a postura física de joelhos, de pé, deitado, sentado ou prostrado que importa e sim a nossa postura espiritual diante de Deus.
2. Quando oramos alcançamos as riquezas para uma vida plena no espírito.
Efésios 3.16 Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior; Efésios 3.17 Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor,
É pela oração que devemos buscar o revestimento de poder a cada dia para a nossa militância, pois esse poder nos impulsiona a cumprirmos os nossos deveres para com o reino, como também, para resistir as tentações; para suportar as perseguições; para superar as aflições e muito mais. O operador deste poder em nossa vida é o Espírito Santo com a Sua força aplicada em nosso homem interior, nos proporciona esse revestimento tão essencial para a nossa luta contra as contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Efésios 6:12.
3. Olhando para a Cruz entendemos as quatro dimensões do amor de Cristo.
Efésios 3.18 Poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, Efésios 3.19 E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.
As dimensões do amor de Cristo retratadas pela Cruz são admiráveis, pois indicam a grandeza e as riquezas insondáveis da sua sabedoria. Ao olharmos para a Cruz, vemos na haste horizontal a extensão do seu amor pelos pecadores em todos os cantos da terra; na haste vertical vemos o comprimento do seu amor pelos pecadores desde início na queda do homem até o último a ser salvo; na sua altura vemos que o seu amor se eleva até as alturas dos céus; e na parte da haste que se finca no solo vemos que a parte que da Cruz oculta no solo mostra a profundidade do seu amor pelo pecador nos abismos da perdição. A nossa vida não pode ser um vazio, pois ela deve estar tomada de toda plenitude de Deus e o Espírito Santo é o agente pelo qual vamos obtendo essa plenitude. Medidas erradas não podem produzir essa plenitude, pois doutrinas do homem não tem condições de operar em nosso crescimento espiritual. É conhecendo mais profundamente o amor de Cristo que é infindável, que vamos sendo cheios de toda a plenitude divina.
4. Orando no espírito temos uma fonte inesgotável de graça e misericórdia.
Efésios 3.20 Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, Efésios 3.21 A esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém.
Se andarmos de acordo com as condicionais divinas alcançaremos o poder que precisamos para caminharmos conquistando vitórias nas incessantes batalhas espirituais. Esse poder não é armazenados em nós, pois ele flui em nosso interior liberado pelo Espírito Santo quando se faz necessário, ou seja, para expulsar demônios, na imposição de mãos nas curas, na ministração da palavra, no louvor espiritual e em outras situações. Lembrando que para ter esse poder é necessário estar ligado a nossa fonte de energia, que é o Espírito Santo. O que nos desliga desse poder é a incredulidade, pecados dolosos não confessados, negligência com as coisas do reino, comportamento mundano e infidelidade, que são faltas que não podem ser compartilhadas pelo Espírito Santo.
Pastor Adilson Guilhermel

Faça suas compras online aqui no Magazine Luíza - Clique no Banner para acessar o site da loja