ADSENSE

O MISTÉRIO DA UNIDADE REVELADO

Lição 9 – O Mistério da Unidade Revelado
Texto Áureo: Efésios 3.5 O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas;
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 3.1-13

Introdução: O mistério da unidade foi desde o princípio uma causa ou plano oculto de Deus, o qual não podia ser revelado enquanto não chegasse o tempo oportuno para isso. As escrituras em si, numa linguagem incompreensível e indecifrável ao entendimento do homem, já dava indicações deste segredo através dos profetas, mas que só veio ser revelado por Cristo e decifrado pelos seus apóstolos, principalmente o apóstolo Paulo. Ninguém pode descobrir o que Deus mantém em oculto, a não ser que Ele revele e todos que tentaram e tentam prognosticando previsões falsas, principalmente quanto a vinda de Jesus, acabam caindo no ridículo.
1. O escolha de Paulo como apóstolo tinha o propósito de unir judeus e gentios.
Efésios 3.1 POR esta causa eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo por vós, os gentios; Efésios 3.2 Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada; Efésios 3.3 Como me foi este mistério manifestado pela revelação, como antes um pouco vos escrevi;
Paulo assumiu a causa de Cristo, mesmo sabendo que a sua missão seria de uma grande complexidade, pois dado o seu passado se depararia com várias adversidades. O mistério dessa unidade entre judeus e gentios coube ser revelado a Paulo de uma forma mais específica em relação aos outros apóstolos. Ele também tinha a missão de revelar o mistério da vontade de Deus relativa aos gentios, estendendo a eles a graça de Deus. Com o evangelho estendido aos gentios, eles deixariam de ser cidadãos de segunda classe, como assim os judeus os julgavam, para serem parte do corpo de Cristo, como eram os cristãos judeus. Dessa forma os gentios passaram a fazer parte de todas as promessas de Deus feitas a Abraão e o que preliminarmente se pensava que fosse só para os judeus passou a ser igualitariamente também aos gentios. 
2. Cristo com a conversão de judeus e gentios uniu todos num só corpo a igreja.
Efésios 3.4 Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, Efésios 3.5 O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas; Efésios 3.6 A saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho;
Esse mistério foi ocultado e mantido em segredo por Deus, pois envolvia circunstâncias e peculiaridades que não poderia ser compreendida pelas várias gerações antes da Cruz.  Isto porque, esse mistério dependia do cumprimento de profecias a esse respeito, profecias estas que envolvia a pessoa do Senhor Jesus Cristo após a sua missão sacrificial. Sendo Paulo o apóstolo dos gentios precisava estar cônscio deste mistério, que lhe foi revelado por Cristo durante os três anos de preparação no deserto da arábia antes de iniciar a obra missionária. Paulo pela Paulo foi salvo pela graça de Deus que lhe deu um ministério especial voltado aos povos gentílicos. Em vista disso houve a necessidade de lhe ser revelado esse mistério para que tivesse a habilidade em tratar tanto com os judeus, como com os gentios, nos sentido de união entre eles. O resultado dessa união vinha pela conversão a Cristo, quando passariam a fazer parte do corpo de Cristo, ou seja, a igreja corpo.
3. O ofício de servir no reino deve estar de acordo com o dom da graça de Deus.
Efésios 3.7 Do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder. Efésios 3.8 A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo,
Sendo o evangelho não exclusivo aos judeus, mas universal, todos que se unem ao corpo de Cristo ganham a identidade celestial e passam sem distinção ter a sua disposição, as insondáveis riquezas de Cristo. Riquezas insondáveis são tão vastas que são infindáveis para todos os crentes que encerram a carreira e guardam a fé e chegam ao alvo, que é Cristo. Paulo não era apóstolo por escolha própria e sim por escolha pessoal de Cristo, isto porque, Paulo reunia as qualificações necessárias para exercer a sua missão com grandes resultados. A capacitação divina é exercida nos ofícios designados pelo Senhor e todo ministério como foi o de Paulo precisa ter poder espiritual para que a sua missão seja eficaz e bem sucedido. Dentre as várias riquezas podemos desfrutar no plano terreno, da sua compaixão, perdão, orientação e outras mais dentro dos seus repletos depósitos através da Sua graça.
4. O mistério oculto, o qual nem os anjos sabiam era a igreja o corpo de Cristo.
Efésios 3.9 E demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo; Efésios 3.10 Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus,
Como a igreja deveria ser composta de judeus e gentios, os apóstolos e principalmente Pedro resistiam a entender que essa unidade era uma ordem imperativa do Senhor Jesus, quando disse: ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Pedro estava resistindo a essa ordem e foi necessário a visão dos animais impuros para que ele entendesse que o evangelho não era somente para os judeus, mas também para os gentios. Assim a primeira missão evangelizadora de Pedro para com os gentios foi ir a casa de Cornélio para ali pregar o evangelho.
5. Como igreja podemos chegar ao trono de Deus, pois somos livres da maldição.
Efésios 3.11 Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, Efésios 3.12 No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele. Efésios 3.13 Portanto, vos peço que não desfaleçais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória.
O véu se rasgou de alto abaixo quando Cristo declarou a Sua vitória na Cruz realizando o sacrifício perfeito para que todos os que nele crêem não pereçam, mas tenham a vida eterna. No lugar santíssimo do templo na antiga aliança, somente o Sumo Sacerdote tinha acesso a esse lugar, mas na nova aliança, Deus abriu as portas da Sua própria sala do trono celestial para receber todos os que nascem de novo em Cristo. Através de Cristo o Deus Pai amoroso dá as boas vindas a todos, nós e nos recebe como filhos amados em Sua presença. Muitos da antiga aliança certamente desejaram ter esse acesso, mas esse acesso privilegiado ficou reservado para a igreja corpo do Senhor. Fica uma reflexão: estamos aprendendo a explorar as riquezas de Cristo, ou estamos estagnados?
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

EDIFICADOS SOBRE O FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E DOS PROFETAS

Lição 8 – Edificados sobre o Fundamento dos Apóstolos e dos Profetas
Texto Áureo: Efésios 2.20 Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 2.20-22; Mateus 7.24-27
Introdução: Edificar é construir algo partindo de uma estrutura estabelecida e nesse caso quanto ao crente, ele será edificado quando guiado moralmente através da palavra de Deus. Para que isso se desenvolva é necessário a aplicação de uma doutrina inspirada e operada pelo Espírito Santo. Somos edificados pelo conhecimento que absorvemos de tudo que nos ensina a palavra de Deus e mais precisamente pela sã doutrina deixada por Cristo e completada com mais revelações dadas aos seus apóstolos que estão nas cartas apostólica. Mateus 16:18, Jesus disse: E eu digo que você é Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do Hades não poderão vencê-la. Jesus ao usar a figura de uma pedra como alicerce onde a igreja seria edificada, está se referindo a si próprio e não a Pedro como é apregoado pelo sistema papal. Esse dogma mantido com severidade pelos papas leva os católicos durante séculos a acreditarem nessa doutrina mal interpretada, a qual se impõe que os papas são sucessores do apóstolo Pedro acreditando que ele seria a pedra citada por Cristo. Jesus disse, tu é Pedro (petros) uma pedra} e sobre esta pedra (petra) uma grande rocha} edificarei a minha igreja. Pedro assim como todos nós que fazemos parte desse grande edifício espiritual que é a igreja, somos apenas um fragmento dessa grande Rocha que compõe o corpo desse edifício, que é o corpo de Cristo, o qual é o cabeça desse corpo.
1. Cristo é quem dá sustentação ao edifício edificado na doutrina dos apóstolos.
Efésios 2.20 Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; Efésios 2.21 No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor.
Todo aquele que é nascido de novo, ou seja, que se converte a Cristo como o seu único e suficiente Salvador, passa a ser uma pedrinha que se agrega a esse grande edifício espiritual. Esse edifício espiritual é a igreja corpo cujo cabeça é Cristo é composto por todas essas pedrinhas que são todas as vidas salvas na sua conversão a Cristo. Cada pedrinha que passa a fazer parte desse corpo precisa se ajustar a esse corpo e, esse ajuste é feito pela doutrinação ministrada com a sã doutrina. A doutrina bem aplicada vai realizar moldar essa pedrinha que somos nós, para que ela se encaixe perfeitamente nesse grande edifício que é o corpo de Cristo, pois se assim não for, esse crente vai servir de pedra de tropeço em prejuízo dessa estrutura espiritual. Todo aquele que não se sujeita ao processo de lapidação não se encaixa nessa edificação e corre sério risco de ser lançado fora. Jesus disse que todos aqueles que o Pai lhe deu, de modo algum será lançado fora, porém aqueles que se portam como filhos bastardos, na realidade já estão fora. Jesus é a pedra principal, que ocupa o lugar de honra nesse corpo como cabeça, o qual segura e sustenta todo o resto do edifício em conjunto.
2. É maravilhoso saber que o Deus vivo fez de nós templos vivos e sua morada.
Efésios 2.22 No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito.
A igreja corpo, compreende todo o corpo no seu sentido universal edificado sobre Cristo a pedra fundamental. Cada crente verdadeiro é o verdadeiro templo do Deus vivo, uma morada dele no Espírito. É condicional conservarmos a nossa vida em santificação para que Ele tenha o lugar de honra em nossa casa espiritual, pois a Sua presença em nós é a garantia de estarmos com Ele quando deixarmos este corpo para estarmos habitando em suas moradas celestiais.  Deus habitou na antiga aliança, em templos feito por mãos humanas; habitou em Cristo em toda a Sua missão terrena, até ser pregado na Cruz e agora Ele habita na Igreja, a qual é o seu templo. Esse templo deve ser bem ajustado, de modo que cada um de nós como pedras vivas tem o dever de cumprir suas funções nesse corpo, dentro do propósito determinado por Deus.
3. Quem é edificado pela palavra tem uma estrutura sólida que nada pode abalar.
Mateus 7.24 Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; Mateus 7.25 E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha.
A verdadeira obediência está em ouvir a palavra e por em prática, pois só assim é que ela vai produzir os efeitos necessários em nossa vida. Quem não procura construir a suas vida sobre os ensinamentos de Jesus, provavelmente a sua casa espiritual não terá a resistência necessária para suportar todas as adversidades do caminho. Os ensinamentos de Jesus foram dados aos seus discípulos durante todo o seu ministério terreno, mas após a sua ascensão eles continuaram através do Espírito Santo, que dava novas revelações aos seus apóstolos. Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito. João 14:26. A casa edificada sobre a rocha envolve um relacionamento verdadeiro com Cristo, pois essa casa que somos nós passará por várias testes, mas fundamentada na sã doutrina, não seremos abalados.
4. A grande insensatez do crente é ser ouvinte esquecediço que rejeita correção.
Mateus 7.26 E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; Mateus 7.27 E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.
O insensato significa aquele que não é são, que age de modo inconsequente, ou seja, pessoa de difícil trato e também de entendimento. Ele não suporta a sã doutrina e tem comichão nos ouvidos quando ouve a palavra, pois só quer ouvir aquilo que gosta e não aquilo que precisa ouvir. A diferença entre o que está firmado, ou não, é na hora do julgamento e não na aparência exterior, pois a diferença está no alicerce e quem não procurou se alicerçar num fundamento sólido é porque falhou em seu compromisso. Na morte, ou no arrebatamento o crente já passa por um julgamento, ou seja, se ficou é porque foi rejeitado e vai para a morte eterna e se subiu é porque foi aceito e vai para o gozo da vida eterna.
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

A Condição dos Gentios sem Deus

Lição 6 – A Condição dos Gentios sem Deus
Texto Áureo: Efésios 2.11 Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens;
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 2.11,12; Romanos 4.12-14

Introdução: Os gentios tinham Deus, mas não sabiam que O tinham, pois na sua cegueira espiritual criavam os seus próprios deuses, mas como estes deuses não existem e o que eles pensavam que tinham, na realidade não tinham. Paulo descreve o estado anterior dos gentios, como não tendo e nesse sentido, aqueles que pensam estar adorando algo estão adorando o que realmente não existe. A circuncisão dos judeus era uma aliança estabelecida entre Deus e Abraão, quando aos noventa e nove anos de idade esta foi firmada, porém com a nova aliança estabelecida por Cristo essa aliança ficou obsoleta. Em Atos capítulo quinze está escrito sobre um concílio em Jerusalém para tratar de questões sobre a insistências de alguns judeus em manter algumas exigências da lei cerimonial e, entre elas foi discutido sobre a circuncisão, porém o veredito foi não haver mais necessidade dessa prática. Os cristãos judeus procuravam de toda forma persuadir os cristãos gentios que precisavam ser circuncidados, para que pudesse ter direito de fazer parte da descendência de Abraão e Paulo procura exorta-los com um esclarecimento correto a respeito dessa questão.
1. As lembranças de que éramos carnais não pode ser esquecida.
Efésios 2.11 Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens;
Quando a aliança de Deus com Abraão foi estabelecida, havia nesse caso a distinção entre judeus e gentios, não que o Senhor manteria essa distinção, pois o propósito do Senhor era que os judeus testificasse do seu amor para os gentios. Acontece que os judeus não cumpriram isso e acabaram se vangloriando e desprezando os gentios. Os mestres judeus combatidos por Paulo insistiam que a circuncisão e a obediência à Lei eram necessárias para a salvação, como também para tornar o cristão mais espiritual. Existem ainda em nossos dias algumas corporações religiosas com idéias legalistas impondo doutrinas de costumes que são totalmente contrárias a palavra de Deus. A circuncisão era um sinal da aliança com Deus, que embora fosse uma operação física, possuía significado espiritual. Assim os judeus focavam mais o sentido físico dessa prática do que o sentido espiritual e uma simples operação física não pode transmitir a graça espiritual. “Colossenses 2:11 No qual também estais circuncidados com a circuncisão não feita por mão no despojo do corpo dos pecados da carne, pela circuncisão de Cristo;“
2. Não tínhamos Cristo; cidadania; alianças; esperança nem Deus.
Efésios 2.12 Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo.
A situação anterior dos gentios antes da conversão a Cristo era algo extremamente desalentador. A cidade de Éfeso, se tratando de um lugar onde o paganismo imperava, a inclinação do povo era para a idolatría, onde viviam com uma fé enganosa, pois sem Cristo o estado do homem é de condenado. Em outro tempo era Israel que estava debaixo de leis e de bênçãos e isso não se aplicava a nenhum gentio, porém através de Cristo ganhamos a cidadania celestial. Também em outro tempo não havia aliança com as nações gentias, mas Cristo estabeleceu uma nova aliança no Seu sangue. Não havia esperança, pois os que seguiam as vãs filosofias não encontravam algo consistente que pudessem firmar a sua fé e procuravam assim uma mensagem de esperança mas também não conseguiam achar, pois elas não existiam. Também não tinham o Deus verdadeiro para se firmar e, embora ouvissem falar desse Deus não tinham interesse em conhecê-lo dando preferência ao politeísmo. Só através de Cristo é que pode haver a reconciliação com o Deus Pai.
3. A condição de salvação aos gentios é sem base na circuncisão.
Romanos 4.12 E fosse pai da circuncisão, daqueles que não somente são da circuncisão, mas que também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, que tivera na incircuncisão.
Abraão foi justificado ainda incircunciso, sinal que apontava para os gentios. Em todo período patriarcal  eles não estavam debaixo de lei, pois a lei foi entregue por Deus a Moisés no monte sinai quando o povo caminhava no deserto. Abraão foi o primeiro patriarca e foi com ele que Deus estabeleceu essa aliança, a qual envolvia como um selo, a circuncisão. Portanto Abraão não estava na lei, mas na graça, o que já apontava que os povos gentios também estavam incluídos no grande plano de salvação estabelecido por Deus, lá no jardim do Éden, após a queda de Adão. Não se pode esquecer que no período da Lei, houve gentios que se converteram ao Senhor, tais como, Naamã, Rute e Raabe, os quais não faziam parte da linhagem dos hebreus. 
4. A lei não salvava, apenas conduzia o povo em direção à justiça.
Romanos 4.13 Porque a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo não foi feita pela lei a Abraão, ou à sua posteridade, mas pela justiça da fé.
A obediência a lei não estava em questão para a promessa ser concretizada, como defendia os judeus, pois a promessa fora feita a Abraão muitos anos antes de a lei ser promulgada. Abraão não foi salvo pela lei e sim pela graça, a qual foi estendida para todos os povos. Quando o Senhor prometeu a Abraão que a sua descendência seria como as estrelas do céu e como as areias do mar, Ele se referia a dois povos, um celestial e outro terreno. Desse modo, podemos entender que os últimos serão os primeiros, pois foi dado oportunidade a todos os povos da terra de serem a igreja corpo do Senhor, o povo como as estrelas do céu, e a Israel a oportunidade do reino milenar, o povo como as areias do mar.
5. A lei não abre o caminho da salvação, só conduzia a promessa.
Romanos 4.14 Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada.
A promessa dizia que todas as famílias da terra seriam abençoadas e, é em Cristo o principal descendente, pois se encarnou em estado de perfeita pureza, é que somos abençoados quando o abraçamos. E se somos de Cristo, então também somos descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa. Assim, Israel será herdeiro no reino terreno e a Igreja no reino espiritual. Quem tenta ou insiste em manter algumas obrigações das leis cerimoniais, ou mesmo utilizando réplicas de utensílios usados nos rituais levíticos, na realidade corre o risco de perder a promessa e não herdar nada. A lei foi dada para mostrar o pecado, pois antes da lei o pecado não era imputado, mas com a lei o pecado passou a ser imputado. Assim através da lei veio o pleno conhecimento do pecado e quem peca transgredindo a lei suscita a ira de Deus. A fé do patriarca Abraão seria inútil, se a promessa que Deus fez para ele fosse abolida pela lei e Paulo mostra aos cristãos que não foi; e os gentios ao se converterem a Cristo passam a pertencer ao povo de Deus em igualdade de circunstâncias, espaço esse, que não era definido pelas leis judaica.
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Libertos do Pecado para uma Nova Vida em Cristo

Lição 5 – Libertos do Pecado para uma Nova Vida em Cristo
Texto Áureo: Efésios 2.4 Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, 5 Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),
Leitura Bíblica em Classe: Efésios 2.1-10

Introdução: O que é ser liberto? É ser colocado em liberdade. Mas o que é que mantém o homem privado da sua liberdade? No sentido espiritual, significa que toda alma sem Deus é uma escrava do pecado e muitos na sua ignorância não querem sair dessa escravidão. Jesus ao vencer o Diabo quando consumou a sua obra vitoriosa na cruz tomou a chave da morte e do inferno e através do evangelho usa a sua mensagem que é a chave para dar liberdade aos cativos e abrir a prisão dos presos de Satanás. A palavra diz que se o pecador conhecer essa verdade a verdade o libertará e se o Filho o libertar, verdadeiramente será livre. É a partir daí, já despojado da sua ignorância quanto a isso, o homem deixa de ser a velha criatura e passa a ser uma nova criatura, porque, sendo liberto do pecado passa a ter um nova vida, que é a vida em Cristo.
1. Tirados do jazigo ganhamos vida, para nunca mais andar no curso do Diabo.
Efésios 2.1 E VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, Efésios 2.2 Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência.
Paulo escreve a Igreja de Éfeso sobre a condição espiritual deplorável de uma pessoa no seu estado pecaminoso. O motivo dessa palavra dirigida a esses cristãos era que rememorassem qual era a condição deles antes de alcançarem a salvação em Cristo. Isto porque, alguns deles estavam declinando na fé e precisavam fazer uma reflexão do seu estado de vida anterior a salvação. Paulo na prisão era informado da situação espiritual de cada igreja a qual ele fundou e escrevia as cartas sempre com um teor exortativo principalmente para os que estavam esfriando na fé, e já com pensamentos desmotivantes em continuar na caminhada. O apóstolo procura mostrar a horrível condição de trevas em que estavam mergulhados e pudessem fazer um exame introspectivo sobre a graça de Deus e a sua maravilhosa libertação.
2. Quem não põe freio em seus desejos da carne, certamente isso o levará a ruína.
Efésios 2.3 Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.
O pecador tal como nós éramos antes, não só escolhem a direção errada, como também não se dão conta do perigo que correm. Essa falta de noção mantém o pecador voltado às concupiscências da carne escravizado pela sua natureza corrompida sem a esperança da felicidade proporcionada pela salvação. É preciso lembrar que Satanás tem liberdade de cegar o entendimento dos incrédulos para que não enxerguem a luz do evangelho e enquanto o indivíduo não enxerga ou não quer enxergar essa luz, ele é por natureza filho da ira. Nessa situação é um escravo da carne e dos pensamentos e se conserva na sua natureza pecaminosa. A palavra diz que Deus ama a todo pecador, mas odeia o pecado que está alojado na sua alma. Deus através do Seu Filho Jesus, proporcionou os meios para o homem se libertar dessa natureza pecaminosa e sendo assim, os que permanecem irredutíveis em querer se libertar continuam debaixo da ira divina e com isso, não podem conhecer o Seu grande amor.
3. Mortos pelo pecado, o Deus de misericórdia pelo Seu muito amor nos deu vida.
Efésios 2.4 Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, 5 Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),
Toda mudança que aconteceu em nossa vida é graças ao grande amor de Deus, o qual é a fonte de tudo isso. Assim devemos entender que o amor de Deus é a fonte de todas as sua misericórdias que nos favorecem numa diversidade de situações que necessitamos. Em todos os estágios da nossa vida pregressa, ainda com o coração endurecido para Deus, não poderíamos imaginar que estávamos debaixo da ira divina e condenados para o juízo final. Essa é a situação de todos os pecadores que insistem em permanecer nessa vida rejeitando a salvação que lhe é oferecida através de Cristo. O amor de Deus relacionado aos pecadores é rico em misericórdia e em graça, que se consistem em riquezas que dão a possibilidade da salvação para o pecador, mas o que salva o pecador é a Sua graça acompanhada da Sua misericórdia. A misericórdia significa que o coração de Deus se compadece do estado de miséria do pecador, o qual mesmo sem merecer o Senhor o livra desse estado através da Sua graça que é o favor não merecido. Quando o pecador alcança a graça de Deus ocorre a vivificação do espírito que é quando o pecador se arrepende e crê e, é realizado a ressurreição espiritual promovendo a nossa união com Cristo.
4. Ao ressuscitarmos com Cristo compartilhamos o seu trono nos lugares celestiais
Efésios 2.6 E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; 
Dentro do processo do novo nascimento somos ressuscitados dentre os mortos e nos desfazemos do velho homem e passamos a ser um novo homem em Cristo Jesus. Através da união com Cristo, já como nova criatura somos exaltados com Ele e começamos a compartilhar de seu trono nos lugares celestiais. Desse modo podemos dizer que no sentido físico estamos no mundo, mas devemos entender que não somos mais do  mundo e no sentido espiritual estamos assentados com Cristo nos lugares celestiais. Para desfrutarmos desse privilégio é condicional que não vivamos mais na carne, mas no espírito, pois os nossos pensamentos devem aspirar os céus, e é para lá que as nossas orações sobem para chegar ao trono da glória de Deus. Enquanto os perdidos estão a chafurdar no lamaçal do pecado; os salvos se assentam nos lugares celestiais, elevados acima deste mundo que não representa mais nada para aquele que tem uma nova vida em Cristo. Aqui nesse plano terreno, somos apenas forasteiros e peregrinos caminhando rumo a nossa pátria celestial.
5. A salvação não é uma recompensa, mas uma dádiva da sua graça por meio da fé.
Efésios 2.7 Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. Efésios 2.8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.  Efésios 2.9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Efésios 2.10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.
A igreja triunfante, ou seja, a que estará nas dimensões celestiais glorificará a graça de Deus por toda a eternidade e será reconhecida como o povo que alcançou o Seu favor. Isso é reforçado porque não fomos salvos por causa das nossas obras, significando que a salvação que alcançamos não tem qualquer mérito da nossa parte. Portanto devemos entender que a nossa salvação é uma dádiva divina e não uma recompensa. Existem os que na sua ignorância entendem que fazendo obras obterão alguma recompensa na vida pós morte física, o que na realidade diante de Deus dentro desta linha de pensamento não tem valor algum no que tange a salvação da alma. Salvação não se compra com qualquer tipo de obra, pois a obra salvadora já foi concluída na cruz e quem pagou o preço por nós foi Jesus. As obras só tem valor diante de Deus, após a conversão a Cristo, pois Ele não nos salvou para ficarmos desocupados nas questões que envolvem o Seu reino. Estamos sendo transformados pela operação do Espírito Santo, o qual quer nos moldar para sermos feitura de Cristo, ou seja, está nos aperfeiçoando para chegarmos a estatura do varão perfeito. Nesse processo de aperfeiçoamento vamos passar por várias provações em nossa caminhada diária. O aperfeiçoamento exige provações no sentido de obras a serem realizadas em prol do reino de Deus, como para a nossa vida espiritual, quando sairmos desse corpo terreno. Temos vários exemplos de homens que foram preparados para serem aprovados no sentido de servirem o reino de Deus, tal como Moisés, José, Paulo e outros. Isso porque, quem serve ao Senhor, não pode serví-lo de qualquer maneira, daí, a necessidade de preparação para aquilo que fomos predestinados no contexto do reino de Deus aqui na terra.


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

LUGARES ONDE O SITE É VISTO

LÍÇÕES DO 2° TRIMESTRE DE 2021 - Esboços e Comentários das Lições Bíblicas da CPAD

Sua Contribuição é muito bem-vinda. Quem semeia colhe.- PIX 997518304

Translate

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *