ADSENSE

A VELHICE DE DAVI



A VELHICE DE DAVI


A VELHICE DE DAVI.
Lição 13 – 29 de Dezembro de 2019
Texto Áureo2 Samuel 23.5 Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo uma aliança eterna, que em tudo será bem ordenado e guardado, pois toda a minha salvação e todo o meu prazer está nele, apesar de que ainda não o faz brotar.
Leitura Bíblica em Classe2 Samuel 23.1-7
Introdução: Para quem não tem uma morte abreviada, a velhice é o destino de todos, que indica o final de uma jornada, a qual ninguém poderá escapar disso. As escrituras nos revelam vários personagens tanto no antigo testamento, como no novo testamento, de homens e mulheres que ao partirem deixaram um legado de fé, que servem de exemplo para todos nós. O personagem em destaque aqui, é Rei Davi, conhecido como o homem segundo o coração de Deus. Após a sua morte, Davi deixou a sua história de vida registrada para a eternidade. Foi uma história que começou tranquila, com ele pastoreando ovelhas, mas que começou a mudar depois que foi ungido como Rei de Israel. Foi ungido Rei, mas tinha que conquistar a coroa e essa trajetória para essa conquista exigiu muitos obstáculos; perseguições; perigos; guerras onde sempre foi vencedor, porque fazia tudo em nome do Senhor dos Exércitos. Porém, como ninguém é perfeito, Davi também tinha as suas falhas e a mais gritante foi o adultério e o assassinato de um inocente. Teve consequências graves que atingiu os filhos, mas com um arrependimento profundo alcançou a misericórdia de Deus. Na sua velhice ele compôs muitos salmos, os quais retratam muitas situações da sua trajetória. Encerrou a carreira, mas guardou a fé e deixou um legado para as demais gerações. 
1. Tempo de viver e tempo de morrer, mas o que importa é deixar boas obras.2 Samuel 23.1 E ESTAS são as últimas palavras de Davi: Diz Davi, filho de Jessé, e diz o homem que foi levantado em altura, o ungido do Deus de Jacó, e o suave em salmos de Israel.
Estamos fazendo obras consistentes para o reino de Deus que possam ser lembradas quando partirmos? Ou não.  Esta é uma pergunta que devemos fazer para nós mesmos, pois existe um mandado do Senhor Jesus Cristo nesse sentido, o que não pode ser negligenciado por qualquer cristão. Davi colocou os seus talentos a disposição do Senhor e se empenhou em praticá-los em todo o tempo da sua vida. O Senhor deu talentos, de acordo com a vocação de cada um e, seja um ou mais, não podem ficar enterrados, pois quem assim procede é tido como servo mau e negligente. Deus investiu em Davi e ele não o decepcionou, assim como Deus também quer investir em nós para o serviço na sua obra e não podemos decepcioná-lo. É importante que ao final de nossa vida terrena deixemos um registro das nossas experiências com Deus, as quais servirão de testemunho para aqueles que ficaram. (Eu lhes digo a verdade: Onde quer que se preguem as boas novas em todo o mundo, o que essa mulher fez também será relatado, em memória dela.” Mateus 26:10-13).
2. As boas obras caracterizam os que são preparados e ungidos do Espírito.
2 Samuel 23.2 O Espírito do Senhor falou por mim, e a sua palavra está na minha boca. 2 Samuel 23.3 Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus.
Aos ungidos pelo Espírito é delegada autoridade para liderar com temor. Só os identificados pelo temor ao Senhor, são os que demonstram um coração governado por Ele, pois quem não tem temor diante de Deus, nunca poderá ser um verdadeiro crente em Cristo. Quem é líder deve necessariamente apresentar uma liderança justa e isso é visto naquele que governa com justiça e também no temor do Senhor. Quando um líder está enquadrado nessa condição o povo é beneficiado com esse tipo de liderança, pois ela traz bênçãos divinas a todos os liderados. (Quando os justos governam, alegra-se o povo; mas quando o ímpio domina, o povo geme. Provérbios 29:2).
3. Os ungidos agem com temor e justiça e tem zelo pelo bem estar do povo.
2 Samuel 23.4 E será como a luz da manhã, quando sai o sol, da manhã sem nuvens, quando pelo seu resplendor e pela chuva a erva brota da terra.
Um líder que governa sendo justo e com uma vida no temor de Deus tem a verdadeira luz para levar o povo no caminho certo, pois é assim que todos se sentirão animados e confortados sem qualquer jugo sobre si. A Bíblia diz que os justos florescerão como a palmeira e os que verdadeiramente estão plantados no reino do Senhor, ainda na sua velhice darão frutos; viçosos e vigorosos. Esses nunca deixam de anunciar a retidão do Senhor e a sua justiça em toda a sua plenitude. (Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá. Salmos 101:6).
4. Quem cuida do bem estar do povo tem promessas e aliança com Deus.
2 Samuel 23.5 Ainda que a minha casa não seja tal para com Deus, contudo estabeleceu comigo uma aliança eterna, que em tudo será bem ordenado e guardado, pois toda a minha salvação e todo o meu prazer está nele, apesar de que ainda não o faz brotar.
As bênçãos de Deus prometidas e garantidas através do concerto eterno estabelecido com Davi, estão guardadas, mas só serão distribuídas através do cumprimento de condições impostas a todo Israel para um tempo ainda vindouro. A aliança que Deus fez com Davi, lhe garantia uma dinastia e um trono que apontava para a eternidade, porque era uma aliança que se cumpriria na sua íntegra em Jesus Cristo. Assim a dinastia davídica estabelecida através deste pacto teriam a sua continuidade rumo a eternidade, pois Jesus dará continuidade a essa dinastia quando começar a reinar no reino milenar. (Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois aquele que prometeu é fiel. Hebreus 10:23).

5. A aliança com Deus é para os fiéis, pois quem não tem, o juízo é eterno.
2 Samuel 23.6 Porém os filhos de Belial todos serão como os espinhos que se lançam fora, porque não podem ser tocados com a mão. 2 Samuel 23.7 Mas qualquer que os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança; e a fogo serão totalmente queimados no mesmo lugar.
Todo ser que se opõe a graça de Deus e dos seus propósitos, na realidade são filhos de Belial e se não voltarem a razão expressando uma rejeição verdadeira às suas convicções descaminhadas, o destino é o fogo eterno. Todos que rejeitam a salvação oferecida nesta dispensação, são como espinhos e serão lançados fora e consumidos pelo julgamento de Deus. Quem se mantiver como pecador, não escapará do julgamento divino e serão considerados como imprestáveis, o que significa que precisam ser descartados porque se opõe às condicionais estabelecidas por Deus. Isso já preliminarmente acontecerá ao final da grande tribulação, no julgamento das nações onde o Senhor Jesus separará as ovelhas dos bodes, pois se forem deixados, irão sufocar o início de um reino de justiça e devem ser consumidos pelo fogo. (Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo. Malaquias 4:1). 
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

A REBELIÃO DE ABSALÃO

A Rebelião de Absalão
Lição 12 – 22 de Dezembro de 2019
Texto Áureo: 2 Samuel 15.6 E desta maneira fazia Absalão a todo Israel que vinha ao rei para juízo; assim, furtava Absalão o coração dos homens de Israel.
Leitura Bíblica em Classe: 2 Samuel 15.1-18
Introdução: Os dissabores de um pecado gravíssimo cometido por Davi continuam sendo marcados por uma escalada de acontecimentos que trazem agruras na sua vida. Entre os já ocorridos, como a morte do filho que contraiu com Bate-Seba; o estupro de Tamar por Amnom; o assassinato de Amnom praticado por Absalão; agora surge mais uma situação extremamente grave, que é a usurpação do seu trono, por Absalão o seu próprio filho. A bíblia diz que rebelião é como o pecado de feitiçaria e, isso nos leva a entender que Absalão estava tomado pelo Diabo para levar adiante essa empreitada maligna, a fim de acabar com o reino do seu pai Davi. O tempo mostra que Davi após a grande loucura que cometeu, já não era mais tão ativo como antes e os tristes acontecimentos que se seguiram, o deixaram mais abalado ainda e isso proporcionou um lapso para o traidor agir. Algo que não pode passar despercebido é que por trás de todo indivíduo com espírito de rebelião está o Diabo influenciando, isso implica que, se aquele que está na condição de líder, baixar a guarda, pode ser subitamente surpreendido.
CARACTERÍSTICAS DE UM REBELDE
1) Gosta de se ostentar e finge profunda dedicação pelos interesses do povo.
2 Samuel 15.1 E ACONTECEU depois disto que Absalão fez aparelhar carros e cavalos, e cinqüenta homens que corressem adiante dele. 2 Samuel 15.2 Também Absalão se levantou pela manhã, e parava a um lado do caminho da porta. E sucedia que a todo o homem que tinha alguma demanda para vir ao rei a juízo, o chamava Absalão a si, e lhe dizia: De que cidade és tu? E, dizendo ele: De uma das tribos de Israel é teu servo; 2 Samuel 15.3 Então Absalão lhe dizia: Olha, os teus negócios são bons e retos, porém não tens quem te ouça da parte do rei.
Quem tem espírito de rebelião, nunca age de pronto, pois ele sempre vai preparar o terreno para ter os meios necessários para poder dar continuidade ao ato de traição que planeja. Nessa preparação, Absalão procurou com grande poder persuasivo arregimentar um grande quinhão de aliados, os quais acabaram se reunindo em torno dele passando a apoiar o seu golpe de estado. Uma das suas sutilezas era levantar questionamentos sobre a capacidade de Davi em administrar justiça entre o povo. Uma das táticas do indivíduo tomado por esse espírito de rebelião é jogar o povo contra o líder e com grande maestria procura convencer o povo que é mais capacitado para exercer a condição de líder.
2) Usa de artifícios para conquistar o apoio do povo e alcançar seus intentos.
2 Samuel 15.4 Dizia mais Absalão: Ah, quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo o homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça! 2 Samuel 15.5 Sucedia também que, quando alguém se chegava a ele para se inclinar diante dele, ele estendia a sua mão, e pegava dele, e o beijava. 2 Samuel 15.6 E desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo; assim furtava Absalão o coração dos homens de Israel.
A partir do momento que o povo vai se inclinando para o seu lado, o traidor, percebe a oportunidade e o momento de começar a enfatizar as falhas do líder colocando dúvidas na mente das pessoas sobre ele. E desse modo que o rebelde prepara o cenário para o seu golpe traiçoeiro. O rebelde só terá condições de finalizar os seus intentos usurpadores, se ele conseguir conquistar o coração de boa parte do povo. No meio evangélico, há vários casos de indivíduos que entram por esse caminho movidos por um espírito de rebelião incontrolável. O verdadeiro líder é aquele que Deus separou para tal ofício e nenhum usurpador caso venha alcançar os seus intentos poderá ser considerado como um líder. Nesse caso o povo que segue um líder rebelde é conivente com o seu ato de rebelião.
3) É hábil na arte da persuasão usando de meios estratégicos em convencer.
2 Samuel 15.7 Aconteceu, pois, ao cabo de quarenta anos, que Absalão disse ao rei: Deixa-me ir pagar em Hebrom o meu voto que fiz ao Senhor. 2 Samuel 15.8 Porque, morando eu em Gesur, na Síria, fez o teu servo um voto, dizendo: Se o Senhor outra vez me fizer tornar a Jerusalém, servirei ao Senhor. 2 Samuel 15.9 Então lhe disse o rei: Vai em paz. Levantou-se, pois, e foi para Hebrom.
O mal intencionado sabe usar o seu poder de persuasão fazendo outros a crer que as suas intenções traiçoeiras pareçam que sejam boas intenções. Absalão nesse caso optou em ir a Hebrom com a permissão do rei, porque ali era um ponto estratégico para ele se organizar melhor para dar sequências aos seus planos de tomar o poder a qualquer custo. Tudo que Davi conquistou incluindo o coração do povo foi com muito sacrifício e serviço, mas Absalão procurou fazer de um modo mais fácil, prática essa que é observada em nossos tempos; quando fazem uso de meios enganosos para atrair o povo para si.
4) Ele procura usar pessoas chaves para dar credibilidade ao seu ato traidor.
2 Samuel 15.10 E enviou Absalão espias por todas as tribos de Israel, dizendo: Quando ouvirdes o som das trombetas, direis: Absalão reina em Hebrom. 2 Samuel 15.11 E de Jerusalém foram com Absalão duzentos homens convidados, porém iam na sua simplicidade, porque nada sabiam daquele negócio. 2 Samuel 15.12 Também Absalão mandou vir Aitofel, o gilonita, do conselho de Davi, à sua cidade de Giló, estando ele oferecendo os seus sacrifícios; e a conjuração se fortificava, e vinha o povo, e ia crescendo com Absalão.
A habilidade de um rebelde e a sua capacidade de influenciar a mente e o coração do povo serve de advertência para os líderes em nossos dias, os quais devem sempre estar atentos a qualquer situação estranha. Uma das táticas de um usurpador é ter aliados que têm alguma influência sobre o povo, pois isso contribui para dar credibilidade aos seus planos de rebelião. No meio evangélico não se caracteriza uma rebelião, quando algum oficial resolve sair do ministério, ou mesmo que venha a fundar uma congregação, desde que o faça com pacificação. A rebelião é caracterizada quando alguém tenta derrubar o líder para tomar o seu ministério.
5) O rebelde age de uma forma que o seu alvo seja sempre o último a saber.
2 Samuel 15.13 Então veio um mensageiro a Davi, dizendo: O coração de cada um em Israel segue a Absalão. 2 Samuel 15.14 Disse, pois, Davi a todos os seus servos que estavam com ele em Jerusalém: Levantai-vos, e fujamos, porque não poderíamos escapar diante de Absalão. Dai-vos pressa a caminhar, para que porventura não se apresse ele, e nos alcance, e lance sobre nós algum mal, e fira a cidade a fio de espada. 2 Samuel 15.15 Então os servos do rei disseram ao rei: Eis aqui os teus servos, para tudo quanto determinar o rei, nosso senhor. 2 Samuel 15.16 E saiu o rei, com toda a sua casa, a pé; deixou, porém, o rei dez mulheres concubinas, para guardarem a casa.
Quem tem lealdade com o líder está com ele até às últimas consequências. Embora o Diabo esteja agindo às ocultas, Deus também que não dormita e nem dormitará, pois sempre está atento agindo a favor dos seus. Deus sempre é o socorro bem presente no meio de momentos angustiantes, daqueles que o temem, para dar livramento. Quando Deus escolhe os seus ministros e os unge para tocar uma obra, ninguém alcançará êxitos sobre ele, pois ninguém toca nos seus ungidos.
6) O líder traído deve esperar o melhor momento para lançar a contra-ofensiva.
2 Samuel 15.17 Tendo, pois, saído o rei com todo o povo a pé, pararam num lugar distante. 2 Samuel 15.18 E todos os seus servos iam a seu lado, como também todos os quereteus e todos os peleteus; e todos os giteus, seiscentos homens que vieram de Gate a pé, caminhavam diante do rei.
Davi sabendo as cruéis intenções do seu filho Absalão, não quis bater de frente com ele, mesmo porque esse tinha se fortalecido muito formando um exército poderoso, o qual não seria possível enfrentar no momento. Davi procurou fazer uma retirada estratégica retirando todos os que estavam ao seu lado, para evitar um mal maior. Isso não era um sinal de covardia, mas de prudência, pois no exílio, Davi teria tempo para se reorganizar para que no momento certo pudesse lançar uma contra-ofensiva e retomar o reino usurpado. Nenhuma batalha está perdida para um líder que tem Deus na sua vida e que conta com pessoas de lealdade absoluta ao seu lado. Davi era consciente de que tudo o qual estava passando era resultado do seu pecado e, em momento algum questionou com Deus sobre isso. Porém, com uma coisa ele contava, que era a misericórdia de Deus, a qual lhe dava esperança e segurança e a certeza de que tudo lhe seria restituído. Davi nesse período crítico andou como ele retrata no Salmo 23, no vale da sombra da morte mas a bondade e a misericórdia de Deus o seguiram por todos os dias da sua vida; e pode retornar a Jerusalém para voltar a sacrificar na casa do Senhor.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

As Consequências do Pecado de Davi

As Consequências do Pecado de Davi
Lição 11 – 15 de Dezembro de 2019
Texto Áureo: 2 Samuel 12.10 Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que te seja por mulher.
Leitura Bíblica em Classe: 2 Samuel 12.1-15
Introdução: O pecado de Davi lhe trouxe muitas consequências espirituais, pois mesmo ainda quando o mantinha oculto, certamente estava com o coração incomodado, como também interiormente irrequieto, pois essa é uma reação de todos que tenham um mínimo de sentimento e temor de Deus. Podemos imaginar o quanto foi duro para ele, o distanciamento de Deus, pois com a insistência de esconder o pecado, ele mesmo promoveu esse afastamento sabendo que Deus não compactua com os que praticam a maldade. A comunhão com Deus interrompida já era o começo de um duro castigo entre os outros que viriam a seguir. (Porque eu declararei a minha iniqüidade; afligir-me-ei por causa do meu pecado. Salmos 38:18). 
1.  Nada pode ficar oculto aos olhos de Deus que não venha a ser revelado.
2 Samuel 12.1 E O SENHOR enviou Natã a Davi; e, apresentando-se ele a Davi, disse-lhe: Havia numa cidade dois homens, um rico e outro pobre. 2 O rico possuía muitíssimas ovelhas e vacas. 2 Samuel 12.3 Mas o pobre não tinha coisa nenhuma, senão uma pequena cordeira que comprara e criara; e ela tinha crescido com ele e com seus filhos; do seu bocado comia, e do seu copo bebia, e dormia em seu regaço, e a tinha como filha. 2 Samuel 12.4 E, vindo um viajante ao homem rico, deixou este de tomar das suas ovelhas e das suas vacas para assar para o viajante que viera a ele; e tomou a cordeira do homem pobre, e a preparou para o homem que viera a ele. 
A intenção de Deus através dessa parábola era para que Davi ficasse atraído pela história relatada sem saber que ele era o próprio personagem. Era uma forma de refrescar a memória de Davi ilustrando algo parecido com o que ele se envolveu, onde se afundou em uma coisa horrenda aos olhos de Deus. Certamente ele procurava de todas as formas tentar esquecer o mal praticado, mas não pensou que Deus de nada se esquece e tem os seus meios para que um dia seja revelado. E mais ainda, pois Davi como rei também era juiz e Deus apresentou a ele essa história para que desse o veredito sobre o homem rico, que se tratava dele próprio. Assim ele mesmo daria a sentença segundo o ato abominável que o homem rico praticara e, esse veredito dado por ele, era o que ele mesmo merecia conforme a lei. Quando erramos e não vamos a Deus para acertar as contas com Ele, é certo que Ele virá no momento oportuno ao nosso encontro. (Marcos 4.22 Pois nada há de oculto que não venha a ser revelado, e nada em segredo que não seja trazido à luz do dia.). 
2.  Julgar o pecado dos outros é fácil, duro é ter que julgar a si próprio.
2 Samuel 12.5 Então o furor de Davi se acendeu em grande maneira contra aquele homem, e disse a Natã: Vive o Senhor, que digno de morte é o homem que fez isso. 2 Samuel 12.6 E pela cordeira tornará a dar o quadruplicado, porque fez tal coisa, e porque não se compadeceu.
Davi sem saber ser o próprio personagem ficou furioso e deu o seu veredito, o qual seguiria os rigores da lei mosaica. A lei mosaica determinava a morte do culpado em casos abomináveis similares a qual Davi praticou. O furor de Davi com o homem rico, que se tratava dele mesmo sem saber era o que Deus estava sentindo para com ele, pelo seu ato repreensível e abominável. Como diz a escritura: com a medida com que julgares, também sereis julgados e a medida sentenciada por Davi contra o homem rico era na realidade contra ele mesmo. Agora Davi como rei e como juiz para julgar esse caso e impor o castigo segundo a lei é lógico que não iria se condenar a si próprio, mas contudo mesmo não se condenado a si próprio não iria escapar do juízo divino. (Mt 7:1 Não julgueis, para que não sejais julgados). 
3. Quem aponta o erro dos outros, ignora que os seus pode ser apontado. 
2 Samuel 12.7 Então disse Natã a Davi: Tu és este homem. Assim diz o Senhor Deus de Israel: Eu te ungi rei sobre Israel, e eu te livrei das mãos de Saul; 2 Samuel 12.8 E te dei a casa de teu senhor, e as mulheres de teu senhor em teu seio, e também te dei a casa de Israel e de Judá, e, se isto é pouco, mais te acrescentaria tais e tais coisas.
Davi inconscientemente acabou por julgar a si mesmo dando o seu veredito sobre o caso e estava tão focado na narrativa do profeta que não percebeu que toda a história que ouvia era pertinente a ele. Davi tinha oito esposas e isso significa que a sua traição não foi por falta de mulher e sim por um desejo desenfreado de possuir o que lhe era proibido. Vivia debaixo das promessas divinas, tudo que ele pedisse ao Senhor, lhe seria acrescentado, mas não vigiou contra as astutas ciladas do Diabo e acabou caindo feio em uma delas.  ( (Mateus 7.3 Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?). 
4. O desprezo pela palavra pode levar alguém a fazer coisas abomináveis.
2 Samuel 12.9 Porque, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom. 2 Samuel 12.10 Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste, e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para ser tua mulher.
Embora Davi tenha usado pessoas para agir em suas tramas, isso não o isentaria de culpa e mesmo com a participação de outros em ferir Urias pela espada dos amonitas, agora Deus faria a espada se levantar contra a sua própria casa. Davi como do judeu tinha conhecimento da lei mosaica e partir do dia em que foi instituída, o pecado passou a ser imputado e nesse caso todas as sequenciais transgressões  cometidas por ele seriam lançadas na sua conta. Quem planeja uma maldade e a ordena é tão culpado quanto os que a executa e Deus não tem o culpado por inocente. Desprezar a palavra é como desprezar o próprio Deus. (Provérbios 13:13 O que despreza a palavra de Deus virá a perder-se, mas o que respeita os seus mandamentos será bem sucedido).
5. Quem semeia o mal contra alguém vai colher e não tem como escapar. 
2 Samuel 12.11 Assim diz o Senhor: Eis que suscitarei da tua própria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol. 2 Samuel 12.12 Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol.
Davi usou de todos os meios ilícitos para ocultar o pecado, mas como nada fica oculto aos olhos de Deus, um dos castigos que ele sofreria. seria realizado em praça pública aos olhos de todos. Nesse caso as suas mulheres seriam possuídas pelo seu próximo, ou seja, o seu próprio filho Absalão. Esse castigo foi uma forma de Deus mostrar a todos, o quanto Ele odeia o pecado dentre o seu povo, nunca deixará que fique impune. (Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7); 
6. O pecado é perdoado pela confissão, mas tem as suas consequências.
2 Samuel 12.13 Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. E disse Natã a Davi: Também o Senhor perdoou o teu pecado; não morrerás. 2 Samuel 12.14 Todavia, porquanto com este feito deste lugar sobremaneira a que os inimigos do Senhor blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá. 2 Samuel 12.15 Então Natã foi para sua casa; e o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi, e adoeceu gravemente.
Foi diante de uma confissão penitente que foi assegurado a Davi, que o seu pecado foi perdoado. Deus em resposta a confissão de Davi permitiu que ele vivesse, mas haveria consequências sofríveis que passaria em relação aos seus filhos e o primeiro foi a criança que a mulher de Urias lhe dera, a qual adoeceu gravemente até a morte. A espada de Davi embora após o perdão estivesse limpa, ainda havia sangue em suas mãos, sangue esse que persistiu por todos os dias da sua vida.   O estupro de Amnon com Tamar, sua meia irmã; as mortes de Amnom por Absalão. A perda provisória do reino para Absalão e a morte de Absalão. e na apropriação pública das concubinas de Davi por Absalão e Adonias que tentou tomar o trono após a morte de Davi e foi morto por ordem de Salomão. Quanto mais se tenta ocultar o pecado, mais grave será as consequências.  Diante dos castigos impostos sobre a sua família, Davi podia refletir com contrição que cada desgraça era consequência do seu ato irracional. (Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Salmos 51:3). 
Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

LUGARES ONDE O SITE É VISTO

LÍÇÕES DO 2° TRIMESTRE DE 2021 - Esboços e Comentários das Lições Bíblicas da CPAD

Sua Contribuição é muito bem-vinda. Quem semeia colhe.- PIX 997518304

Translate

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *